quinta-feira, 30 de abril de 2015

ÁGUA


Em todas as reportagens de TV sobre falta d’água gerada por manobras das distribuidoras a fim de reduzir o consumo, seja em Belo Horizonte, São Paulo etc., a periferia é sempre quem sofre. Em Salvador a situação é a mesma. Por que será que nunca falta água, por exemplo, na Pituba, Itaigara e outros bairros classe A? Fica no ar a perguntinha socrática...


Uma carga muito perigosa

Dantes levantando a bandeira contra o transporte perigoso de botijões de gás, as próprias grandes distribuidoras do produto, hoje, utilizam motos para tal, algumas carregando até quatro ou mais recipientes e pilotadas em alta velocidade por entre os outros veículos do trânsito.
Especialista em combate ao fogo e sinistros semelhantes, meu amigo Carlos Hupsel faz uma advertência: “Além das motos, há uma outra grande imprudência: são pequenos caminhões lotados de botijões que circulam pela cidade. A questão, é que as
laterais desses veículos vão só até um pouco acima da metade dos botijões. Dizem que são construídos assim para facilitar a retirada pelo entregador. Ora, num solavanco maior (lombada, depressão, buraco, etc.), um botijão assim transportado poderá ser arremessado em cima de um carro, ou até mesmo de uma pessoa. 
No caso de uma batida com outro veículo, nem é bom pensar no que poderia acontecer, com botijões ‘voando’ pra todos os lados.” Pois é: trata-se de uma situação que merece séria fiscalização. Ou vamos esperar uma tragédia?


Maconha em casa
A imensa dificuldade para a importação do canabiol, remédio produzido a partir da maconha e que literalmente acaba com  as crises convulsivas de quem sofre de epilepsia e outras doenças do tipo, tem levado à produção semi-artesanal da substância no Brasil.
Hoje, são muitos os pequenos laboratórios, inclusive caseiros, que fabricam o canabiol no País, o que é ilegal, inclusive porque, claro, tem que haver a manipulação da maconha para essa produção.

Conder esclarece

Sobre nota desta coluna a respeito da situação da Baixa dos Sapateiros, recebemos dca Conder os seguintes esclarecimentos:     
"A Diretoria do Centro Antigo de Salvador (Dircas), da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), responsável pelo projeto de Requalificação Urbana da Baixa dos Sapateiros, esclarece que o asfalto em alguns pontos da avenida J.J. Seabra vem cedendo em função da fuga de material (areia, terra, aterro) da galeria de drenagem pluvial – de responsabilidade do município, o que vem provocando também a abertura de buracos na pista. A Dircas/Conder já enviou ofícios à Prefeitura de Salvador solicitando a limpeza e reparação das galerias. Em decorrência das fortes chuvas, neste mês de abril, a equipe técnica da Dircas/Conder está em alerta para realizar o levantamento da área, avaliar os estragos e providenciar a recuperação dos locais que foram afetados."


E por falar em tragédia...

Logo após o incêndio da boate Kiss, em 2013, na cidade de Santa Maria (RS), matando 242 pessoas, houve uma comoção nacional e muito se falou em fiscalizar boates e outras casas noturnas para forçar que seguissem as normas básicas de segurança.
No entanto, como costuma acontecer, o assunto esfriou e, hoje, não se sabe exatamente qual é a situação. Pelo que consta, ainda há muitos estabelecimentos que relaxam nesta segurança. Em Salvador tem sido feita alguma fiscalização? Hum...
 
Não dá trégua 

Dos freqüentadores do Teatro Castro Alves aos fieis que vão ao Bonfim, as queixas são idênticas: na sua sanha avassaladora e engordar os caixas da prefeitura, a Transalvador vem multando carros à noite e aos domingos, esvaziando o TCA e reduzindo a quantidade de fieis nas missas do Bonfim. Quanta maldade!

Desculpas patéticas 
Dezenas de bilhões de reais foram pelo ralo do petrolão, praticamente destruíram a Petrobras, e agora vêm com pedidos de desculpas. Ah, batam um abacate! O que se quer ver mesmo é o dinheiro de volta aos cofres públicos e punição exemplar para TODOS os envolvidos, inclusive políticos. Ora, ora...


Fotos da Secom eternizam momentos da Micareta

A participação do folião na Micareta de Feira de Santana, realizada entre os dias 23 a 26 de abril, foi registrada pelas lentes dos fotógrafos da Secretaria Municipal de Comunicação (Secom) e está disponível em fotos no hotsite Você na Folia (http://www.feiradesantana.ba.gov.br/micareta2015/galeria.asp?id=1).

A equipe de fotógrafos capturou poses, caras e bocas. A alegria, descontração e euforia que o público transmitiu durante os quatro dias. Cinco profissionais estiveram envolvidos nesse trabalho.

“A intenção era registrar a emoção das pessoas, que eram transmitidas em diversas formas de se expressar”, afirma o fotógrafo da Secom, Silvio Tito.

As fotos podem ser compartilhadas nos perfis das redes sociais, bem como salvá-las, o que permite que aquele momento fique eternizado. Aproximadamente três mil fotos estarão disponíveis nos próximos dias - o hotsite será atualizado a cada semana.

Segundo o chefe da Divisão de Fotografia e Filmagem, Antônio Carlos Bastos de Magalhães, essa foi uma ideia inovadora visando aproximar a administração municipal do povo.

  “A Prefeitura de Feira inova na Micareta 2015, criando o ‘Você na Folia’ e, com isso, permite aos foliões, que não costumam levar suas câmeras para a festa, ter aquele momento de alegria registrado para sempre”, diz.
A

Cérebro é programado para odiar dietas, indica estudo

Uma pesquisa sugere que o cérebro humano foi programado para 'odiar' dietas.
Segundo cientistas americanos no Campus de Pesquisa Janelia Farm, do Instituto Médico Howard Hughes, células do cérebro sensíveis à fome, conhecidas como neurônios AGRP, são as responsáveis pelo horror à dieta.
Os pesquisadores fizeram experiências que mostraram que estes neurônios são responsáveis pelas sensações desagradáveis associadas à fome, que tornam os petiscos irresistíveis.
Segundo o líder do grupo de pesquisa, Scott Sternson, as emoções negativas associadas com a fome podem transformar a dieta e a perda de peso em uma tarefa muito difícil, e a explicação pode estar nestes neurônios.
Em um ambiente no qual a comida está sempre disponível, os sinais difíceis de ignorar enviados por estes alimentos podem parecer irritantes para quem está de dieta, mas, do ponto de vista da evolução dos humanos, estes sinais podem fazer sentido.
Para os primeiros humanos - e para animais selvagens - a busca por alimentos e água podia significar a entrada em um ambiente arriscado, algo que só poderia acontecer se o humano ou animal recebesse um estímulo.
"Suspeitamos que estes neurônios estão impondo um custo por você não lidar com suas necessidades fisiológicas (como a fome)", afirmou Sternson.
Os neurônios AGRP não levam um animal diretamente a comer, mas ensinam o animal a responder a pistas sensoriais que sinalizam a presença de comida no ambiente.
"Acreditamos que estes neurônios são um sistema motivacional muito antigo que obrigam o animal a satisfazer suas necessidades fisiológicas", afirmou Sternson.
A equipe do cientista americano também demonstrou que existe um grupo diferente de neurônios especializado em gerar sensações desagradáveis de sede.
As descobertas foram publicadas na revista especializada Nature. (BBCBrasil)

quarta-feira, 29 de abril de 2015

GUERRA

Saiu ontem, na coluna do Cláudio Humberto: “Apesar da crise política e das seguidas derrotas em importantes votações no Congresso, parlamentares petistas pressionam a cúpula do partido a romper com o PDT de Carlos Lupi, demitindo o ministro Manoel Dias (Trabalho), por ele indicado. É uma reação a Lupi, que dias atrás acusou o PT de ‘roubar demais’ no governo. Esse caso foi um dos itens da conversa de Dilma com Lula, ontem, em São Paulo.”
“Gostava de estar no campo para poder gostar de estar na cidade." (Fernando Pessoa)

Apartheid soteropolitano
Recentemente comentei aqui sobre o policiamento perfeito, com PMs e guardas municipais, na Barra, enquanto outros bairros da cidade sofrem com a carência absoluta de segurança (citei Lapinha, Liberdade, Barbalho, Castelo Branco, entre outros). Na Barra – e outros locais ditos nobres – a Polícia vai para dar segurança, e nos bairros pobres, chega para espancar, xingar e até matar.
Pois bem: no que tange às grandes obras na cidade, estamos também a viver um certo apartheid. Na orla, onde há perspectivas de grandes investimentos em hoteis, turismo em geral, muitas e belas obras. Na periferia, a ausência de um ritmo condizente de obras para os mais humildes. E um dos resultados foi a tragédia que a cidade viveu anteontem. Nada mais a declarar.

Adeus à reforma (I)
Transcrevo trechos de elucidativo artigo publicado pelo jornalista Carlos Chagas, ontem, no blog Tribuna da Imprensa: “De repente, salta aos olhos que não haverá reforma política, por mais que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, anuncie uma semana de esforço concentrado para votação das diversas propostas. A razão é simples: partidos, grupos partidários e até parlamentares isolados discordam mais do que concordam com as mudanças debatidas.”

Adeus à reforma (II)
E prossegue: “Se estão a favor de determinado projeto, com mais intensidade ficam contra outros, mesmo trocando de posição a cada análise. Vale o interesse pessoal em cada discussão, pois todos analisam apenas os benefícios e os malefícios projetados para as próximas eleições.”

Adeus à reforma (III)
Finalizando: “O sonho acabou. Apesar de no Senado uma ou outra reforma haver sido aprovada, é na Câmara que residem as resistências. O que favorece a minoria prejudica a maioria, em cada caso especifico.Vale alinhar o que não será aprovado, precisamente o cerne da reforma política.”

Treinando para a mídia
Duas profissionais com vasta experiência em comunicação vão ministrar os Cursos de Media Training e Oratória, no próximo dia 16 de maio, sábado, das 9 às 18 horas, em Salvador. Coordenado pela jornalista e diretora executiva da Lume Comunicação Integrada, Cristina Barude, que também é instrutora do curso, o treinamento contará ainda com a mestra em fonoaudiologia Daniela Santos.
O curso é voltado a empresários, políticos, profissionais liberais, executivos e estudantes e será realizado  no Edifício Esplanada Tower, avenida Tancredo Neves, em Salvador.

Panela depressão
A presidente Dilma não fará pronunciamento no Dia do Trabalho.
Vai se limitar a mandar mensagem pelas redes sociais. Pelo visto ela anda deprimida com a possibilidade de novo panelaço durante a fala na TV.
Sinal dos tempos. E haja depressão.

Embasa disponibiliza pontos para coleta de óleo usado em Feira de Santana

Foi lançado nessa quarta-feira (29), o Projeto de Coleta e Descarte Sustentável de Óleo de Cozinha Usado, realizado em parceria entre a Empresa Baiana de Águas e Saneamento – Embasa, vinculada à Secretaria de Infraestrutura Hídrica e Saneamento (SIHS), e o Movimento Água é Vida. A partir de hoje estão disponibilizados pontos de coleta de óleo usado nos pontos de atendimento da Embasa em Feira de Santana. O óleo coletado será enviado ao MAV, que fará a reutilização adequada do material.
De acordo com gerente da divisão de esgotamento sanitário da Embasa, Antonio Carlos Oliveira, o projeto será importante nos aspectos social, econômico e ambiental. “Nós recebemos mais de mil chamados por mês para desobstrução de rede de esgotos e metade dessas ocorrências são causadas pelo descarte indevido de óleo. Com o recolhimento do óleo e a destinação adequada, vamos poder evitar esses problemas que afetam diretamente a população. Também se evita o dano ambiental, além de gerar renda para as atividades do MAV”, explicou.
O superintendente do Movimento Água é Vida, José Carlos Souza, ressaltou a relevância do apoio de toda a sociedade. “Temos o projeto há alguns anos e essa parceria com a Embasa nos ajudará a ampliar as ações. Contamos com toda a comunidade para fazer a sua parte”, frisou.
Depois de utilizado em frituras, as donas de casa e proprietários de restaurantes e lanchonetes poderão armazenar o óleo em uma garrafa PET e levar para um dos pontos de coleta da Embasa.

Pontos de coleta do óleo:
- Loja de Atendimento da Embasa Campo Limpo: Rua Monsenhor Moisés do Couto, nº 1.244 (a 350 metros da passarela da Cidade Nova);
- Loja de Atendimento da Embasa Centro: Rua Desembargador Felinto Bastos, nº 136 (próximo à Estação de Transbordo Central);
- Posto Avançado de Atendimento Pilão: Rua Honorato Bonfim, nº 330 A (próximo ao Procon).


Congresso reúne em Feira, médicos do Brasil e Portugal

Na semana em que se comemora o Dia Nacional de Prevenção e Combate a Hipertensão, as inscrições para o II Simpósio Nacional de Hipertensão são abertas. O evento é direcionado profissionais e estudantes da área de saúde

A hipertensão é uma das doenças que mais matam no mundo. Em Feira de Santana, a doença cardiovascular, que também pode ser resultado da hipertensão, é a primeira causa de morte. Somente em 2013, segundo dados do Ministério da Saúde, 400 pessoas morreram na cidade em decorrência de problemas cardiovasculares. Para discutir esse tema, a Sociedade Brasileira de Cardiologia - Regional Feira de Santana promoverá no dia 09 de maio, o II Simpósio Nacional de Hipertensão.

O evento, que é aberto a profissionais e estudantes da área de saúde em geral, será realizado no auditório do Hotel IBIS. Temas como “Prevenção”, “Estratégias para aumentar a adesão ao tratamento”, “O consumo de sal”, serão discutidos com palestrantes de diversos estados. Nesta edição, o simpósio também contará com a presença do cardiologista Fernando Pinto, ex-presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão.
“Excelentes profissionais do nossos país participarão do Simpósio e é muito bom compartilhar nossa experiência com médicos de outros países, para que haja uma troca de conhecimento e do que vem dando certo em ambos países. No final das contas, a Comunidade é quem ganha com essa troca”, declarou Edval Gomes, presidente da regional.

As inscrições já podem ser feitas através do e-mail sbscfeiradesantana@cardiol.br ao custo de R$ 30,00 (estudante) e R$ 60,00 (profissional). As vagas são limitadas e maiores informações podem ser encontradas no site da instituição (www.sbcfeiradesantana.com.br). (Assessoria de comunicação) 

Negreiros

Exploradores e traficantes humanos não são os únicos culpados pela desumana tragédia nos mares do Mediterrâneo com o naufrágio de navios carregados de migrantes africanos que fogem para a Europa.  A nova escravidão continua a ter origem na África, bruta, pobre, corrupta, e, por vezes, tribal.
O potencial do povo e suas riquezas continuam atrelados a ditadores sanguinários, exploradores externos, miséria educacional e cultural e as guerras. Como se não bastassem os piratas na costa da Somália ainda temos o terrorismo islâmico do brutal Boko Haram. 
Evidente que a Europa em crise não poderá receber milhões de refugiados. Portanto é chegada a hora da ONU e dos países ricos pressionarem os líderes africanos por mudanças.  Não é aceitável que um país em que o povo vive de forma miserável patrocine escola de samba no Rio de Janeiro (Guiné) e o filho do ditador tenha apartamentos milionários e oito carros no Brasil.
Ou se corta o fluxo do dinheiro corrupto, ou se exigem mudanças políticas na África, que lhe tragam estabilidade e desenvolvimento. Ou o mundo continuará a presenciar de forma cada vez mais intensa o êxodo nos novos navios negreiros e pagará caro por sua indiferença. 

Plano Diretor
Ao que parece, uma das mais renitentes discussões da cidade será enfim resolvida com a licitação que a prefeitura está fazendo para a elaboração do Plano Diretor.
O ato louvável do prefeito, de qualquer forma valida o discurso de quem dizia que o Plano não existia e desmente quem afirma que a cidade já tinha um plano adequado. (Publicado no Tribuna Feirense)


Hospital da Mulher cadastra para teste da orelhinha entre 4 a 8 de maio

O Hospital Inácia Pinto dos Santos, o Hospital da Mulher, vai realizar exames de audição em bebês nascidos em outras maternidades e que ainda não foram submetidos ao procedimento. Para isso, as mães devem comparecer ao ambulatório entre os dias 4 a 8 de maio, das 8h às 17h, para fazer o cadastro.

A previsão é que nas semanas seguintes o exame seja feito. As mães já vão receber uma guia do agendamento, constando a data e horário marcados. Os testes da orelhinha serão realizados no próprio ambulatório do Hospital da Mulher.

O exame será disponibilizado para bebês com 48 horas de vida aos seis meses. O teste da orelhinha já é um procedimento de rotina realizado no Hospital da Mulher. “As crianças só recebem a alta médica após passar também pelo teste da orelhinha”, afirma a diretora-presidente da Fundação Hospitalar, Gilberte Lucas.

A expectativa é que dezenas de crianças sejam submetidas ao teste, que é indolor. A meta é que 15 a 20 bebês sejam examinados, diariamente.

O teste da orelhinha é um exame simples e imprescindível para saber se está tudo bem com a audição da criança. Um aparelho eletrônico com fone é colocado no ouvido do bebê, o que permite ao médico verificar se a criança ouve normalmente. O exame não tem contraindicações e pode ser feito com o bebê dormindo.

  Estudos indicam que um bebê que tenha um diagnóstico e intervenção fonoaudiológica até os seis meses de idade pode desenvolver linguagem muito próxima a de uma criança ouvinte. (Secom)

terça-feira, 28 de abril de 2015

NÓS?

No final de 2014, a outrora fascinante cidade de Acapulco, que já foi um dos principais pontos turísticos das Américas, teve 60% das reservas de hotéis canceladas e vive no ostracismo. Motivo: a extrema violência provocada pelo crime organizado, que atinge a moradores e mata também turistas. Qualquer semelhança com algumas cidades brasileiras que (ainda) atraem turistas, como Rio e Salvador, poderá não ser mera coincidência em futuro próximo.

"Segue muito bem seu curso aquela nave que se vale de piloto muito competente."  (Cícero)

Construtores de ruínas
A Controladoria Geral da União acaba de divulgar que das 72 obras tocadas com recursos federais para ampliar e modernizar universidades federais em todo o País, um terço está em atraso e, das que ficaram prontas, não são poucas as que apresentam problemas sérios, a ponto de, em alguns casos, sequer poderem ser usadas.
Os motivos são diversos e alguns deles chegam a ser patéticos, embora devidamente escandalosos: no Pará, por exemplo, as obras mal começaram e pararam, já que a construtora que venceu a licitação decretou falência. Ora, como pode uma empresa VENCER uma licitação de semanas depois decretar falência? Sua saúde financeira não foi checada?
Maracutaias e absoluta falta de fiscalização competente são os dois principais fatores que levam o Brasil a ter um exército de construtores de ruínas, sem dúvida.

E por falar em ruínas...
A Baixa dos Sapateiros, que recentemente passou por obras de “requalificação urbana”, tocadas pela Conder, está destroçada.
Do Aquidabã à Barroquinha, a quantidade de crateras assusta, ameaçando a segurança dos motoristas e a integridade dos veículos.
É impressionante a deterioração, considerando-se que a obra foi dada como concluída há apenas alguns meses.

Delfim Netto e o ajuste (I)
Ele foi ministro da ditadura militar e assessorou o governo Lula, indiretamente. Sempre vence a sua brilhante inteligência. Falo de Delfim Netto, veterano economista e, literalmente, professor da matéria.
Do alto dos seus 86 anos (que, aliás, não aparenta), ele deu um show no último domingo, no programa Canal Livre, na Band, ao falar sobre os ajustes econômicos do governo.
Lembrou, por exemplo, que o primeiro ajuste que o Brasil sofreu foi quando Pedro II, aos 14 anos, tomou posse como imperador e declarou: “Juro que vou controlar as despesas.”

Delfim Netto e o ajuste (II)
Segundo Delfim, nesses 175 anos que se passaram desde a posse de Pedro II, o Brasil já sofreu “pelo menos uns 20 ajustes”.
Ele diz que é assim mesmo, em qualquer parte do mundo. E que todo ajuste é, na verdade, “o começou de uma nova crise”.

Delfim Netto e o ajuste (III)
Delfim Netto, ao classificar o Estado brasileiro como um “leviatã obeso”, lembrou que praticamente toda a Europa realizou ajustes mais ou menos recentes, com exceção da Grécia, “que deu no que deu”. Vamos ver.

Mas a corda parte...
...No lado mais fraco. O que Delfim se esqueceu de dizer é que os ajustes sempre acabam penalizando quem menos tem.
Cortes em programas sociais, aumento de preços e impostos, quem sempre paga mais caro por tudo isso é o povo. A elite segue numa boa.

12 profissões do cão

Esta poderia ser uma lista sobre as profissões mais exigentes do mundo. Poderia ser sobre as profissões mais ingratas do mundo, ou sobre as profissões mais mal remuneradas do mundo. Mas nós vamos falar mesmo é das profissões mais comuns para… cachorros!
Segundo o especialista em treinamento animal Cesar Milan, todo cão deveria ter um trabalho para se sentir útil dentro de sua matilha. E muitos cães são treinados para exercer funções que vão muito além de carregar a própria coleira no passeio ou procurar a bolinha. A SUPER traz uma lista das 12 profissões mais bem executadas por cães. Confira algumas:

Farejador
Algumas raças de cães, como labradores, golden retreivers e pastores podem chegar a ter até 200 milhões de células olfativas – contra reles 5 milhões dos humanos. Por isso, eles são a opção número 1 quando o trabalho envolve encontrar drogas, bombas, armas escondidas, ou pessoas sequestradas ou desaparecidas.

cao-guardaGuarda

Um cão bem treinado pode ser mais eficiente do que o mais moderno sistema de câmeras e alarmes para proteger sua casa ou seu local de trabalho (não é à toa que a Pedra Filosofal era guardada por um cão de três cabeças em Hogwarts). Mas é fundamental que ele seja mesmo bem treinado. Do contrário, o cão será um poço de energia acumulada e difícil de controlar.

Cuidador
cao-guia
Alguns cães exercem funções muito nobres. Eles acompanham pessoas com alguma necessidade especial e se tornam extensões de seus corpos. Cães-guia são os olhos de pessoas com deficiência visual; outros, são os ouvidos de deficientes auditivos. Mas também há os que acompanham pessoas com epilepsia e são treinados para ajudá-los em caso de necessidade. A lista de serviços prestada pelos cães de assistência é enorme – ao contrário da quantidade de cães disponíveis para fazer esse tipo de serviço.

 Terapeuta
cao-terapia
Pessoas que precisam passar por longos períodos de tratamento – como crianças com síndromes graves, pacientes de câncer ou idosos, cuja vida, muitas vezes, se resume a um complexo tratamento – costumam ser expostas a altos índices de estresse. Para aliviar toda a tensão, entram em cena os cães terapeutas, que têm a função de fazer essas pessoas se sentirem melhor. Para ser um terapeuta, tudo que o cão precisa é ser super calmo e gostar de receber muito carinho.

Por Raquel Sodré - Super Interessante 

Ser profissional terceirizado vale a pena?

Em meio à polêmica sobre a nova lei de terceirização - que, segundo seus defensores, aumentaria o nível de emprego no Brasil -, o IBGE anunciou que o desemprego subiu para 6,2 % em março, uma alta de 0,3 ponto porcentual na comparação com fevereiro e de 1,2 ponto porcentual em relação a março do ano passado. Trata-se do índice mais alto desde maio de 2011.
O Brasil tem hoje cerca de 12 milhões de trabalhadores terceirizados, cerca de um quarto da mão de obra formal no país.
A BBC Brasil conversou com terceirizados que atuam em empresas de diversos setores, como o de petróleo, comunicação ou de serviços de limpeza, e ouviu mais queixas do que elogios.
Para Nívia Rejane, de 36 anos, a terceirização foi a chance de finalmente entrar no mercado de trabalho formal, depois de trabalhar como empregada doméstica desde os 12 anos. "Tenho carteira assinada, décimo-terceiro, INSS, vale transporte, ticket-alimentação", lista ela, que foi contratada há um ano por uma empresa de serviços gerais e faz limpeza diariamente em três escritórios na zona sul do Rio. "Semana que vem entro de férias – remuneradas", comemora.
Já para Rodrigo (nome fictício), a terceirização foi o caminho para entrar na empresa dos sonhos, a Petrobras. Há quase dez anos na empresa, ele revela exercer atualmente função que só poderia ser desempenhada por um funcionário concursado – por se tratar de uma atividade-fim da empresa –, porém com salário e benefícios menores.

Atividades-meio ou atividades-fim
Atualmente, a regulamentação da terceirização no Brasil restringe essa prática às chamadas "atividades-meio" – como serviços de segurança ou limpeza – mas não permite que seja usada para contratar funcionários que desempenhem "atividades-fim" (como um médico em um hospital ou um professor em uma escola). Se aprovado, o projeto de lei que já passou pela Câmara dos Deputados vai acabar com essa restrição. (BBCBrasil) 



Por que os conselhos sobre alimentação mudam tanto?

Se comer ovos, não coma carne magra. Mas não era o contrário?

Quando recentemente o Conselho de Orientação de Dieta dos Estados Unidos (Dietary Guidelines Advisory Committee, DGAC, na sigla em inglês) desistiu de sua recomendação de restringir o consumo de alimentos ricos em colesterol, como os ovos, ou de reduzir o consumo de gorduras saturadas – para isso aconselhavam comer carne vermelha – ele contradisse uma recomendação tradicional adotada há anos e algo que era tomado como "evidência científica".
Tanto que a ideia se tornou uma "crença" arraigada na cabeça dos consumidores e foi tomada como base por toda a indústria para alimentos com baixos teores de gordura e colesterol. Com a mudança da recomendação, os negócios afetados negativamente logo se revoltaram.
"Apesar dos dados que relacionam a carne vermelha processada ao câncer de cólon, também há uma evidência que sustenta o contrário", disse a vice-presidente de assuntos científicos do Instituto de Carne dos Estados Unidos, Betsy Booren, à mídia local. "Os cientistas erraram antes? Que garantia temos de que, desta vez, estão certos? Qual conselho devemos seguir? Por que parece que eles não conseguem entrar em um acordo?", questionou.
Veja por exemplo o que já foi dito sobre os ovos: Em 2010: Faz mal. Só se deve comer um ou no máximo dois ao dia (recomendações do DGAC); 2011: Faz bem. "Não aumentam o risco de doenças do coração" (Publicação científica europeia de nutrição médica – European Journal of Medical Nutrition); 2012: Faz mal. "As gemas são tão prejudiciais ao coração como fumar" (revista Artherosclerosis); 2013: Faz bem. "Não há relação entre o consumo de um ovo por dia e o aumento do risco de problemas cardiovasculares" (Publicação científica britânica - British Medical Journal)

Equilíbrio
Assim, será que podemos comer ovos tranquilamente ou é melhor não? Quantos copos de vinho podemos tomar? A quem devemos dar ouvidos?
Conforme os especialistas, o melhor é não se deixar levar pelas manchetes dos jornais, recorrer a especialistas e preferir o equilíbrio. "Em vez de focar nos alimentos, temos de olhar para os padrões da dieta. As refeições devem ser à base de vegetais, quantidades modestas de carnes, pão e cereais". (BBCBrasil) 


segunda-feira, 27 de abril de 2015

Perda de Anchieta é um golpe muito duro, diz Ronaldo


O prefeito José Ronaldo de Carvalho, o secretário de Comunicação Social Valdomiro Silva e toda a equipe do Governo Municipal de Feira de Santana lamentam, profundamente, a morte do jornalista Anchieta Nery, ocorrida na tarde desta segunda-feira (27). Ele sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) na noite da última terça-feira, e estava internado no Hospital Emec. 
Manoel Anchieta Nery de Souza foi secretário de Comunicação Social e também de Cultura, Esporte e Lazer de Feira de Santana. Atuou nas duas gestões anteriores do prefeito José Ronaldo e na administração do prefeito José Raimundo de Azevedo.
Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana, Anchieta Nery possui um vasto currículo em sua carreira jornalística. Um dos seus principais cargos na área foi o de editor-chefe do antigo jornal “Feira Hoje”, onde ajudou a formar uma geração de  profissionais.
O prefeito José Ronaldo, que teve Anchieta Nery como secretário de Comunicação em suas duas primeiras gestões, também está abalado com a morte do jornalista. “Era um homem inteligente, culto, conciliador, competente naquilo que fazia, mas especialmente generoso, um grande coração. Estávamos todos acreditando que ele venceria esta batalha, mas infelizmente não deu. É um golpe muito duro”, afirma o prefeito.
Um dos seus “alunos” na redação do “Feira Hoje”, o secretário Valdomiro Silva diz que perde uma de suas maiores referências no jornalismo: “Fui seu estagiário. Aprendi com ele boa parte do que sei. Admirava o seu talento com a escrita e a seriedade profissional. Impossível descrever o que sinto”.

Estudo liga dores crônicas na coluna a 'defeito' na evolução

Um novo estudo afirma que pessoas com problemas na coluna lombar podem tê-los "herdados" de um defeito ocorrido ao longo do processo de evolução.
Segundo cientistas, essas pessoas teriam uma coluna em formato mais parecido com a de chimpanzés, o mais próximo ancestral humano.
Um 'nó' nos discos da coluna deixa o alinhamento das vértebras mais parecido com o dos animais do que com as vértebras normais de humanos.
Os cientistas acreditam que uma lesão tivesse feito com que a coluna evoluísse de forma diferente em pessoas, conforme o ser humano evoluía para caminhar sobre duas pernas.

Evolução 'imperfeita'
Pesquisadores acreditam que a descoberta podem ajudar médicos a prever quem corre o risco de problemas lombares.
Publicado na revista científica BMC Evolutionary Biology, o estudo reuniu especialistas de Escócia, Canadá e Islândia.
A equipe de pesquisadores analisou as vértebras de chimpanzés, orangotangos e esqueletos primitivos humanos para investigar o relacionamento entre o formato da coluna vertebral, movimento ereto e a saúde da espinha humana. (BBCBrasil)


Micareta

                Ouço no noticiário geral muitas reclamações quanto à desorganização da Micareta e também sobre o local, que já é considerado inapropriado para a festa. Com a palavra os que (des)organizam a Micareta. Quanto ao local, Micareta no Parque de Exposições já. Vamos transformar aquele elefante branco num espaço multiuso.

Bora Bahêa!
Torcedores do Vi(ce)tória e do “Fruminense” de Feira (Fluminense é o do Rio) estão ocupando as redes sociais e outros meios de comunicação para “tirar onda” com os tricolores porque o nosso Bahêa perdeu duas batalhas. Esses torcedores, que são como perus, morrem de véspera, esquecem que, para o Bahêa, o jogo só termina quando o juiz apita o final. Ainda temos duas batalhas pela frente. E se perdermos, vamos perder jogando, e não com dirigente do time adversário apagando luz do estádio, ou delegado ameaçando prender quem se levantar do banco de reservas e os dirigentes aceitando a coação. Ganhar ou perder faz parte do jogo, covardia não. Bora Bahêa! Ninguém nos vence em raça e vibração.

Moral de Jegue
         Marta Suplício, digo Suplicy, aquela que diante do caos nos aeroportos mandou os passageiros “relaxar e gozar”, veio a público dizer que vai deixar o PT porque, segundo ela, “não é mais o partido que ajudei a criar”. É muita moral de jegue pro meu gosto. Ela, que criou o Supla, só poderia criar mesmo um partido como o PT.

Vazio
Folião pipoca na avenida no último dia da festa.
        Aproveitando-se de um daqueles espaços que ficam entre uma atração e outra durante a Micareta, principalmente à tarde e início da noite, o deputado Zé Neto fez um vídeo na avenida e postou no face book criticando o “esvaziamento da festa. Para azar dele, no mesmo dia, as redes sociais estavam cheias de todos mostrando verdadeiras multidões na avenida. Vazio de idéias, o deputado quis esvaziar a festa. Mas, depressa se pega um mentiroso. A Micareta não foi o que se esperava, até porque foi dito que seria uma festa doméstica por conta da crise. Mas dai a dizer que foi vaziam é forçar a barra.

Mais uma do gago
         Eu continuo na minha cruzada, patrulhando os meios de comunicação, “garimpando” vida inteligente, e até encontro. Mas me bato com muitas “jumentalidades”. Ouço e leio muita “carga d’água. Quem está sempre nas cabeças é um radialista carinhosamente apelidado pelos colegas de Gago da Madrugada. Nesta segunda-feira ele disse que a cantora Aline Rosa foi eleita “a melhor cantora da Micareta”. Não disse como foi realizada esta “eleição”. Na minha modesta opinião, em campo que Ivete joga, Aline é gandula. Mas, gosto não se discute. Mas o bicho pegou mesmo foi quando ele disse que Aline apareceu “usando um meio vestido. Se era só “meio”, eu fiquei pensando sobre qual a parte que faltava. A de cima? A de baixo? Ou só tinha um lado? Eu, hem?

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*__*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

Por hoje é só que agora eu vou ali acompanhar o meu Bahêa em duas batalhas de vida ou morte. Bora Bahêa, vencer com glória ou perder com dignidade.

domingo, 26 de abril de 2015

Temperatura máxima no domingão da Micareta

 Samba de roda, samba duro, chula de terreiro, piegas e outros ritmos “sambados” desde o Recôncavo Baiano às cercanias das zonas rurais de influência da macrorregião de Feira de Santana estiveram presentes neste domingo de Micareta, com a apresentação magistral do grupo Quixadeira da Matinha, uma   das nossas mais autênticas expressões culturais.
Marcados por palmeados, pandeiros, reco-recos, cavaquinhos, violões e violas dobradas, os temas musicais da Quixadeira da Matinha  remete à simplicidade da vida bucólica no campo. Identificados com o som  que parece brotar de debaixo do barro do chão, os componente do bloco se entregam ao folguedo que já se transformou numa das principais atrações da Micareta de Feira de Santana.

Tracajá na avenida

 
Até o prefeito José Ronaldo de Carvalho se rendeu ao apelo folclórico do Bloco Tracajá, puxado por ninguém menos que Fred Menendez e o seu Rixô Elétrico, um mine-trio em forma de fubica que faz muito sucesso na orla da Cidade Baixa, em Salvador. O repertório é um tributo aos pais do trio elétrico, Dodô e Osmar, além, é claro, do multi-instrumentista Armandinho Macedo.

Criado pelo repórter fotográfico Reginaldo Pereira (Tracajá), o bloco arrasta figuras expressivas dos meios de comunicação, artistas, políticos, empresários e performáticos da cultura local.

A animação do Tracajá também é garantida pela Sinfônica Tracajá (banda de sopro) e é acompanhado por um trenzinho lotado de crianças, filhos e parentes do do bloco que tem como seu “rei” o radialista Silvério Silva, o polar Nozinho.

O Zerinho virou Zerão

   O bloco Zerinho, que nas micaretas passadas abria espaço para os foliões mirins, constituído dos filhos e parentes dos profissionais de comunicação da cidade, este ano, numa mudança de 180 graus, sofreu uma inesperada transmutação e invadiu o Circuito Maneca Ferreira com foliões de todas as idades, enquanto as crianças vinham de carona no carro de apoio e em cima do trio animado pela cantora Katê. (Secom)

FAO quer reduzir o desperdício de alimentos no Brasil

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) estuda a criação de uma rede em torno da cadeia produtiva de alimentos no Brasil para conter o desperdício. O país é considerado um dos dez que mais desperdiçam comida em todo o mundo, com cerca de 30% da produção praticamente jogados fora na fase pós-colheita.
A redução das perdas será objeto de debates na oficina que a Embrapa Agroindústria de Alimentos promove no próximo dia 30, no Rio de Janeiro, em contribuição à 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, que ocorrerá em Brasília, em novembro próximo.
O objetivo da FAO na América Latina e Caribe é montar uma rede de entidades com organizações não governamentais (ONGs), universidades e institutos de pesquisa com o propósito de reduzir a perda na produção e na pós-colheita dos alimentos. Ao governo caberia providenciar a melhoria de fatores como infraestrutura para transporte dos alimentos, como existe nos Estados Unidos.

“O que se tem que fazer no Brasil é uma rede de formadores que possa, junto com o governo, empresas privadas e ONGs, trabalhar nisso tudo”, afirmou o engenheiro agrônomo da Embrapa Indústria de Alimentos, Murilo Freire. O governo brasileiro entraria com a legislação, com infraestrutura e armazenamento adequados, explicou Freire.
Agencia Brasil

Chuva, seca e crise ameaçam São João em cidades do interior

A chuva — ou a falta dela — e a crise econômica estão afetando até o São João este ano.  A menos de dois meses do início dos festejos juninos, várias prefeituras já anunciaram que o arrasta-pé está comprometido. 
Os casos mais drásticos são os dos municípios de Santo Amaro, no Recôncavo, Candeias, na Região Metropolitana, e Sento Sé, no Vale do São Francisco, onde as festas foram definitivamente canceladas. Com sérios danos causados pela chuva do último dia 13 de abril, Santo Amaro ainda faz as contas do prejuízo.
Tradição no interior, São João terá menos investimentos este ano. Seca, chuva e crise prejudicam a festa (Foto: Arquivo Correio)

Mais de mil pessoas ficaram desabrigadas e a cidade vive em situação de emergência desde o dia 18. Na semana passada, o prefeito Ricardo Machado (PT) tomou uma decisão: “Diante disso tudo, o caminho é não fazer a festa. Provavelmente, em algumas comunidades e bairros, a população vai fazer alguma coisa,  ‘vaquinhas’. Mas a prefeitura não vai fazer nenhum gasto”, assegurou o prefeito.
Segundo ele,  R$ 1,5 milhão já estava destinado à festa deste ano, mesmo orçamento do São João de 2014, que teve atrações como a banda Calcinha Preta, além dos cantores Del Feliz, Beto Barbosa, Cicinho de Assis e Virgílio. “Agora, o dinheiro vai para as ações emergenciais”, disse Machado.
A cidade de Candeias também decidiu destinar a verba junina para minimizar os estragos da chuva, que atingiu a cidade no mesmo período. “Só com as bandas, seriam R$ 400 mil, mas o nosso São João gira em torno de R$ 600 mil”, disse o prefeito Sargento Francisco, do PSD. O município decretou situação de emergência e aguarda ajuda dos governos estadual e federal.

Mas, ao mesmo tempo em que há cidades sofrendo com a chuva, outras penam com a seca. Em Sento Sé, no Vale do São Francisco, 15.749 pessoas estão afetadas pela seca, e a cidade, em situação de emergência, também desistiu da festa de São João.
Os R$ 400 mil que seriam gastos com a festa deste ano serão revertidos para ações emergenciais de combate à estiagem. O decreto, assinado pelo prefeito Ednaldo dos Santos Barros (PSDB), no dia 8, determina o cancelamento de qualquer atividade comemorativa com recursos do município enquanto durar a situação de emergência.  
Segundo Ednaldo, é preciso manter “os serviços básicos de saúde, educação, assistência social e cidadania”.
Leia matéria completa no Correio24horas.

Hoje tem Tracajá e Folia Caipira na avenida


         A partir do meio dia começa a concentração do Bloco Tracajá no Restaurante Casa do Sertão. Puxado por uma fanfarra, o bloco desfila no circuito Maneca Ferreira as 14 horas. As camisas, que são trocadas por um   pacote de fralda geriátrica e um vasilhame de vidro, ainda podem ser encontradas no local da concentração.
         Outra boa opção neste domingo é o Bloco Folia Caipira. Animado por Lucien Junior, o bloco sairá as 18hs30min, levando muito forró de raíz para a avenida.
         Confira a seguir a programação completa da festa neste domingo.

Micareta de Feira de Santana 26/04/2015 – Domingo
11h00 – Mini Bloco Fanfarra
11h30 – Bloco BBC Fanfarra
12h00 – Bloco Ginga Menino Lua Negra
12h30 – Bloco Sambadores do Nordeste Sambadores
13h00 – Dinho Mortadela e Samba Miudinho
13h30 – Bloco Tracajá Rixô Elétrico
14h00 – Bloco Quixabeira da Matinha Quixabeira
14h15 – Rataplam
14h30 – Bloco Euterpe Folia Dilma Ferreira
15h00 – Bloco Zerinho Katê
15h15 – ai Peri
15h30 – Raça Negra 15h45 – Luciana Alves
16h00 – Bloco Esponjinha É Tudo Nosso
16h30 – Paulo Bindá e Banda
17h00 - Parangolé 17h30 – Outros Baianos
18h00 – Claudia Leitte 18h30 – Bloco Folia Caipira Lucien Junior
19h00 – Alinne Rosa 19h15 – Neto LX
19h30 – Bloco Fala Sério Gasparzinho
20h00 – Bloco Glich Trio Eletrônico Fantasia
20h15 – Patchanka
20h30 – Jammil E Uma Noite 21h00 – Galeguinho SPA
21h30 – Bloco Vou Beber – As Coleguinhas 22h00 – Asas Livres
22h15 – Djalma Ferreira
22h30 – Papel de Seda
22h45 – Madina
23h00 – Bloco Expresso do Reggae Backs e Finos
23h15 – Mazinho Venturiny
23h30 – Bloco Beija Ou Desce Lafuria
23h45 – Cleyton Acelerando Corações
00h00 – Maria Breteira
00h15 – Da Kebrada
00h30 – Naranauê
00:45 – Rodrigo Markes “Oz Panteras”




sexta-feira, 24 de abril de 2015

Brasil sobe oito posições em ranking global de felicidade

O Brasil subiu oito posições e chegou ao 16º lugar no ranking de felicidade divulgado pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN, na sigla em inglês), uma iniciativa da ONU.
O país mais feliz do mundo, segundo a pesquisa, é a Suíça, seguida por Islândia, Dinamarca, Noruega e Canadá.
Já o país mais triste é Ruanda, que sofreu com um genocídio nos anos 1990. A Síria, assolada por uma guerra civil, também está entre os menos felizes, assim como Togo, Burundi e Benin.

Ranking de Felicidade 2012 - 2014



O índice considerou 158 países com base em dados do instituto de pesquisa Gallup.
O ranking é baseado no quanto as pessoas se consideram felizes, mas ele estima também o quanto dessa felicidade se deve a variáveis como PIB per capita, expectativa de vida, níveis de corrupção e liberdades individuais. (BBCBrasil)

Brasil versus Suécia








Pode parecer o título de uma partida de uma antiga Copa do Mundo, mas refiro-me aqui a uma reportagem que assinei nesta Tribuna – sempre com muito orgulho de escrever neste jornal – e que mereceu repercussão assinada por minha querida e competente colega Lilian Machado, na edição de ontem.

Na minha matéria, reportei, com base em entrevistas e dados oficiais, sobre os salários nababescos dos políticos brasileiros, os quais, mesmo em sua maioria notoriamente não tendo base cultural que lhes permita sequer falar por cinco minutos sem cometer deslizes gramaticais, para não falar em outros, ganham dez vezes mais do que um professor universitário pós-graduado.

Pois bem. Na matéria de Lilian, alguns cientistas políticos contestaram a comparação feita com a Suécia, mediante entrevista que reproduzi com uma jornalista brasileira que lá vive há vinte anos, onde ela relata, inclusive em livro que escreveu, o comportamento ético, sóbrio, elegante, dos políticos suecos.

Eles lavam suas próprias roupas, têm apartamentos modestíssimos e escritórios espartanos. Os cientistas baianos disseram que não há como comparar o Brasil com a Suécia e utilizaram como argumento para essa assertiva dados históricos da Suécia etc, etc. Blá-blá-blá.

Bem, em um ponto eles têm razão.Realmente não há como comparar o caráter da maioria esmagadora dos políticos brasileiros com os da Suécia, nem com aqueles do Japão, nem da Alemanha, nem da Áustria, nem da Holanda, nem da Austrália, ufa! Daria quase a volta ao mundo para parar, talvez, no Haiti, na Índia, em Bangladesh, no Panamá ou na Venezuela.

Senhores, o que na dá para comparar é o caráter, a maneira de encarar a atividade, a sociedade e suas obrigações para com ela. O que não dá para comparar é ver políticos, aqui, que vivem UNICAMENTE para locupletar-se, enquanto outros, em plagas civilizadas, têm a exata noção da sua função e de suas obrigações mínimas para com a sociedade.

O que não dá para comparar é ter políticos, legisladores enfim, que se dedicam exclusivamente a criar leis para beneficiar interesses corporativos, pagar com isso o que receberam de empresas privadas para se eleger, enfim, pessoas que não pensam um minuto sequer na situação desgraçada em que vive a maioria do povo brasileiro.

Não há história nem circunstâncias outras que possam justificar a diferença enorme entre um político de país minimamente ético do que acontece nesta bandalheira em que vivemos. Aceitar ganhar salários milionários, privilégios absurdos, ao mesmo tempo em que seus eleitores, na sua maioria, vivem em barracos aos quais chamam de casa, construídos em vielas barrentas às quais chamam de rua, mendigando atendimento médico nas madrugadas para ser sorteado e hospitais públicos, com consultas marcadas para até seis meses, ou ainda conviver com as doenças provocadas num país onde somente quarenta e poucos por cento da população tem saneamento básico, onde não há um mínimo de segurança pública, aceitar conviver com isso, sem NADA fazer para mudar, é simplesmente canalhice. Não há outra palavra.

Os cientistas que tentam justificar isso conhecem muito bem o que estou falando, sabem como as coisas se passam em outros países. Repito: a questão é de caráter. A questão é não mentir, não roubar e cuidar, de uma vez por todas, para que os problemas da população, e não os deles, políticos, sejam resolvidos.

Erodir  erário para ter apartamento de luxo, salários milionários, privilégios incabíveis e ainda mentir para a sociedade é demais. Não podemos aceitar mais isso. Nem podemos esperar mais 500 anos para que nossa colonização, pela visto nefasta, tenha suas mazelas corrigidas.

Mas, aí eu entendo, é difícil fazer isso quando temos também um povo viciado, em parte, neste tipo de relação. Um povo que não titubeia em corromper e ser corrompido, nas menores coisas, para levar vantagem em tudo.

Talvez os cientistas sociais tenham razão: a vida nossa é assim, fazer o quê? Sou um tolo, pois é.

E a folia já está começando no Circuito Maneca Ferreira

A sexta-feira de Micareta terá atrações para todos os gostos no Circuito Maneca Ferreira. 27 bandas passarão pela avenida, dentre grandes nomes da música nacional e artistas locais. A primeira grande atração da noite promete fazer o folião pipoca "bellzar" na avenida. O cantor Bell Marques se apresenta pelo segundo ano consecutivo em carreira solo na festa momesca.
E trará novidade para o público feirense. Bell vai lançar sua nova música de trabalho, “Eterno Enquanto Dure”, composta por Marquinho Maraial. Será a primeira apresentação do single em trio elétrico. Ele também promete relembrar sucessos que marcaram sua trajetória no Chiclete com Banana. "Tenho feito uma retrospectiva muito interessante da minha carreira e o percurso da Micareta de Feira é grande o suficiente para relembrarmos e vivermos grandes momentos", declara. 
A noite também reserva muita alegria e irreverência com o bloco de travestidos As Donzelas, que será puxado pela banda Pagodart. A swingueira continuará em evidência com o bloco Auê, que traz para a avenida a banda Harmonia do Samba, comandada pelo cantor Xandy. Outro bloco tradicional que entrará na avenida é o Da Praça, puxado pelo cortejo dos Filhos de Gandhi. 
O chão do Circuito Maneca Ferreira vai tremer com Tuca Fernandes, outra grande atração que vai puxar a pipoca. Também passarão pelo circuito: Cheiro de Amor, com o bloco Trotte; Robyssão, com o bloco Beija ou Desce; Battata, com o trio eletrônico; além das atrações locais Maryzelia e os Coisinhos, Outros Baianos, Trio da Cidade, Sem mais nem menos, dentre outros.   

Axé, pagode e forró dominam o primeiro dia da folia



E o primeiro dia oficial da Micareta de Feira de Santana comprovou o seu slogan: Um festival de música e cultura. Na noite de quinta-feira, 23, foi possível curtir forró, axé, pagode, samba, arrocha e música gospel. Uma mistura que agradou a todos os gostos.
A festa começou com música gospel. A banda Vange Vamos Louvar entrou no circuito pedindo paz aos foliões. “Brinquem na paz, sem violência, esbanjando apenas alegria”, disse o cantor Vange. A cantora Mari Antunes, com sua banda Babado Novo, comandou os foliões solidários do bloco Abraçaê, da TV Subaé.  
Logo após foi a vez da atração mais esperada da noite. Líder nas enquetes, Wesley Safadão trouxe seu forró eletrônico e arrastou uma multidão. O grito “Vai Safadão” tomou conta do Maneca Ferreira.
A presidenta da Bahia baixou um decreto: é hora da folia. Nessa vibe de curtição a cantora Ivete Sangalo puxou o bloco Cerveja & Cia. A apresentação marcou a volta de Ivete no maior carnaval fora de época do país. Os grandes sucessos e também os novos hits ditaram o repertório da cantora.
Outro que comandou a avenida nesta primeira noite do maior carnaval fora de época do país foi o cantor Léo Santana. Ele puxou a denominada “Pipoca do Léo” e o pagodão não ficou de fora da festa.
Thalita Costa, Galeginho SPA, Diogo Dourado, No Styllo, Hot Sound, Grupo Acelerou, Banda TH, Vibrações, Banda Skina, Ghetto é Ghetto, Mairi Monte Alegre e South Beach também abrilhantaram a noite.
 Nesta sexta-feira, 24, a Micareta de Feira de Santana terá os shows de Bell Marques, Harmonia do Samba, Cheiro de Amor, Tuca Fernandes e muitas outras atrações.  (Secom)

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Agora é oficial: Feira entregue à folia até domingo


Desde a noite desta quarta-feira, 22, os foliões já mostraram que estão preparados para manterem o ritmo da Micareta. Mas agora é oficial: A temporada de folia foi aberta oficialmente no Camarote da Imprensa Radialista J. Magno, pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho. O ato aconteceu em clima de muita alegria, o mesmo que já toma conta da avenida com a passagem das primeiras atrações da noite.

Ao som de clarins, como manda a tradição, o Rei Momo Fred Abreu recebeu a chave da cidade, entregue pelo prefeito. “Esta chave abre o Circuito Maneca Ferreira; o comando agora é seu”, disse José Ronaldo, desejando que a festa seja de alegria e, sobretudo, de paz. Este foi também o recado do rei. “Quem faz a Micareta somos todos nós”, destacou, ao assumir a responsabilidade de mandatário maior da festa.



            Durante o ato, coordenado por Edson Baptista, a rainha Carolina Silva foi coroada pelo prefeito, enquanto a faixa foi colocada pelo presidente da Câmara Municipal, Reinaldo Miranda. A segunda princesa Aparecida Souza recebeu a faixa e a coroa do secretário de Meio Ambiente, Roberto Tourinho e do vereador Luís Augusto de Jesus, enquanto a primeira, Wagna Gomes, do ex-deputado Colbert Martins e do secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Rafael Cordeiro. (Secom)

Micareta: Abertura oficial com Ivete na avenida


De hoje, 23, até domingo, 26, a folia toma conta da maior cidade do interior da Bahia. A partir das 19h, o prefeito José Ronaldo de Carvalho entrega a chave da cidade ao rei momo Fred Abreu, no Camarote da Comunicação. A solenidade decreta a abertura oficial da Micareta 2015. Na oportunidade também serão coroadas a rainha Carolina Silva, e as princesas Wagna Gomes e Aparecida Souza. 
Logo em seguida, será a vez do folião assumir o Circuito Maneca Ferreira. Uma das atrações mais esperadas é o cantor Wesley Safadão, com sua banda Garota Safada, que promete arrastar uma multidão da chamada "pipoca". Será a primeira vez que ele se apresenta gratuitamente para o público na Micareta de Feira. 
Outro grande expoente da música nacional vai se apresentar nesta quinta: a cantora Ivete Sangalo, puxando o bloco Cerveja e Cia. A musa do axé music retorna a maior Micareta do Brasil após dois anos e trará para o público um repertório com clássicos da música baiana, além de sucessos que marcaram a sua carreira desde os tempos da Banda Eva. 
Também passarão pela avenida o bloco Abraçaê, puxado pela banda Babado Novo; o bloco Animal da Praça, com Galeguinho SPA; o Expresso do Reggae, animado pela banda Vibrações, dentre outros. Confira a grade completa no link:



  

Sacanearam a Kalilândia










      
Eu não sou favorável a que o poder público deva se envolver tão intensamente em festejos populares. O nome “popular” significa que do povo, próprio do povo, oriundo do povo. Cabe ao poder público apenas autorizar ou não a realização de eventos em via pública e, se solicitado, colaborar com alguma infraestrutura básica com segurança, iluminação (gambiarras e refletores), orientação do tráfego, fiscalização do cumprimento das diretrizes preconizadas para cada tipo de evento. No mais, quem tem que fazer e bancar a festa é o povo, através das lideranças comunitárias, empresários, comerciantes interessados no evento, e os moradores da localidade que participam do festejo do modo que bem lhe aprouver, observando-se aí as normas de civilidade. Mas já que o poder público toma a iniciativa de realizar determinados festejos, que o faça da melhor forma possível, observando o bom gerenciamento dos recursos financeiros do erário. 
O Espaço Charles Albert, mais conhecido como a Micareta da Kalilândia, foi criado há mais de uma década, ainda no primeiro mandato de José Ronaldo como prefeito municipal. Logo tornou-se no espaço preferido das famílias, das crianças, e dos idosos e saudosistas das antigas micaretas. Deixar de realizar a festa foi um golpe duro, ainda mais que foi sem aviso prévio, pegando de calça curta os comerciantes que já haviam comprado mercadorias preparando-se para a festa. Dizer que o cancelamento se deu por motivo de economia de recursos, soa com o que se costuma chamar de “economia de palito”. Se a gente procurar bem vai encontrar que os motivos são outros, e muito sórdidos. Abre o olho prefeito!

O palco da micareta
         O primeiro palco da micareta foi a rua Conselheiro Franco. Quando a rua ficou pequena para suportar a festa, ela enveredou pelas praças Da Bandeira e J. Pedreira, e parte das ruas Marechal Deodoro, Sales Barbosa e Avenidas Senhor dos Passos e Getúlio Vargas até o cruzamento com as ruas JJ Seabra e Visconde do Rio Branco. Quando se falou em transferir toda a festa para a avenida Getúlio Vargas, foi uma verdadeira comoção municipal. Os tradicionalistas berraram a todos os pulmões contra a idéia. Falou-se até que seria o fim da festa. A festa mudou e não acabou. Pelo contrário, cresceu e melhorou. Mas até mesmo a avenida Getúlio Vargas se tornou pequena para suportar o crescimento da festa. Surgiu então a idéia defendida pelo radialista Tanúrio Brito, de mudar a festa para a avenida Presidente Dutra. Foi outro Deus nos acuda. Teve até jornalista saudosista e avesso a mudanças, dizendo que seria a “Micareta da Estrada”. Mas a festa mudou e está lá até hoje. Todas estas mudanças atenderam ao apelo do bom senso, da coerência, em nome da ordem pública no centro da cidade e no conforto dos foliões. Agora a festa já causa novos transtornos e a avenida Presidente Dutra já não é o seu palco ideal. Construir algo como um Sambódromo seria uma iniciativa cara e inútil. Digo inútil porque já temos o espaço praticamente pronto. Há anos defendo a adequação do Parque de Exposições João Martins da Silva em um espaço multiuso, fazendo com que aquele elefante branco, que só abre duas ou três vezes ao ano, seja utilizado em toda sua capacidade. O único inconveniente que eu via era o acesso pela BR-324, mas agora já temos como fazê-lo utilizando a avenida Nóide Cerqueira. Como sempre, só não o fazem se não houver vontade política. E o pior é que a cidade sempre perde para a politicagem.

Blocos
         Eu estava entre os fundadores de pelo menos dois blocos micaretescos e realizei bailes, lavagens e festivais de chope. Em tudo isso contei com o mínimo apoio do poder público, na maioria das vezes nenhum, e todo mundo brincou e se divertiu sem gastar muito. Saí de um bloco quando ele virou um negócio, se profissionalizou, e do outro por falta de motivação. Entendo que estas coisas precisam mais de animação do que de dinheiro. Eu ouvi um sujeito dizer certa vez que havia passado mais de um mês se alimentando de ovo com farinha, economizando dinheiro para comprar a fantasia (mortalha, abadá, sei lá o que) de determinado bloco. Eu, hem? As pessoas veem hoje nos blocos um espaço exclusivista e de ostentação, onde só vai quem tem dinheiro, e em busca de questionável segurança oferecida pelas cordas e cães de guarda. Ledo engano. A imprensa não noticia como deveria, mas bandidos ficam à espreita para assaltar pessoas logo após pegarem suas fantasias e pulseiras de acesso a bloco. Vestem-nas e desfilam ao lado dos incautos foliões. Você acha que está em segurança, mas pode estar se envolvendo com um perigoso bandido e é vítima potencial de um sequestro ou estupro tão logo deixe o circuito da festa. Aliás, enquanto a polícia desfila no circuito, em meio aos trios e foliões, os bandidos aguardam nas cercanias para roubar quem deixa o circuito para ir embora. Como geralmente estão embriagados, são vítimas fáceis. Por isso as festas em pequenas comunidades como a Kalilandia, são mais seguras e tranquilas, porque em geral os participantes se conhecem e moram por perto.

Tracajá
            O Bloco Tracajá, desfila no domingo (26) de micareta e será puxado pela fanfarra de São Gonçalo dos Campos, a partir das 13 horas. As camisas estão disponíveis no Bar Resenharia, no Restaurante Casa do Sertão e no Boteco do Vital. Para adquirir basta levar um vasilhame de vidro para armazenamento de leite materno e um pacote de fralda geriátrica, que serão doados para o Banco de Leite do Hospital da Mulher e Lar do Irmão Velho, respectivamente. Idealizado pelo fotojornalista Reginaldo Tracajá, o bloco resgata a tradição das marchinhas que faziam a alegria dos antigos carnavais. Iniciado como uma brincadeira na redação do Jornal Folha do Norte, hoje o Bloco Tracajá tem um público fiel. Sem fins lucrativos, tem um único objetivo: promover a alegria lembrando o folclore e fortalecendo a cultura regional.

Samu
         Graças a Deus os funcionários do Samu desistiram da paralização e vão trabalhar durante a micareta.

Segurança
         Com os policias locais tudo vai bem, mas o bicho costuma pegar é com os que veem de fora. Parece que eles veem contrariados, cheios de mau humor porque estão trabalhando enquanto os outros se divertem, e tudo é motivo para espancarem pessoas. Nunca esqueço das imagens do tenente que espancou o folião bêbado por nada. E também deu em nada. O tenente parecia estar se vingando de alguma coisa, ou defendendo sua religião, espancando satanás, ou quem sabe lembrando seu pai torturador. Normal aquele sujeito não é.

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*

Por hoje é só que agora eu vou ali me divertir num baile micaretesco entre amigos