sexta-feira, 30 de setembro de 2011




Tá ruim e vai piorar
No Rio de Janeiro, um comandante da Polícia Militar foi exonerado por ser o mandante do assassinato de uma juíza. A corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon, disse que Justiça sofre com “bandidos atrás da toga”. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Cezar Peluso, divulgou uma nota de repúdio a declarações da corregedora, a respeito da impunidade de crimes praticados por magistrados. Isso é só a ponta do iceberg. O mar de lama é muito maior do que imagina a nossa vã filosofia.

Alistamento militar
Os jovens nascidos no ano de 1993 que ainda não realizaram o alistamento militar têm até 30 de dezembro para comparecer à Junta de Serviço Militar (JSM), localizada na Praça dos Ex-Combatentes S/N, no bairro São João. Os alistados terão os exames realizados no 35º BI no segundo semestre do próximo ano e concorrerão a incorporação no Exército Brasileiro para o ano de 2013.

6ª Semana do Idoso na Uefs
Com o tema “Desafios do Envelhecer”, a Universidade Aberta à Terceira Idade (Uati) realiza, de 3 a 5 de outubro de 2011, a 6ª Semana do Idoso no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). A programação prevê palestras, mesas redondas e apresentações culturais, além de atividades esportivas durante os 4º Jogos Olímpicos da Terceira Idade. Confira a programação no portal www.uefs.br. Outras informações na Uati através do telefone (75) 3161-8228.

Barraco I
O tempo fechou segunda-feira passada na Câmara Municipal. A esposa do vereador Tom tentou agredir a vereadora Cíntia Machado, acusando-a de manter um caso amoroso com o seu marido. E foi mais além, dizendo que ambos mantém uma clínica oftalmológica que tenta firmar convênios com a Prefeitura Municipal. A baixaria virou Boletim de Ocorrência na Delegacia da Mulher. Não se pode dizer que as sessões da Casa da Cidadania sejam monótonas.

Barraco II
É nestas horas que eu agradeço a Deus por ser casado com uma mulher classuda...

Meteorito?
Uma coisa é certa: Algo pegando fogo caiu do céu numa cidade da Argentina. Matou uma pessoa, feriu outras oito e destruiu casas e veículos, além de causar até um pulso magnético. No portal UOL foi divulgada uma foto do lugar onde teria ocorrido o fato, e a destruição era evidente. Então, porque ninguém está divulgando este fato? Até a TV Globo, que não pode ver um desastre que fica a semana toda mostrando, não divulgou nada. Pela descrição das testemunhas tudo leva a crer que foi um meteorito (fragmento de corpo celeste que entra na atmosfera, queima no atrito com o ar e colide com a superfície do planeta). É uma coisa natural. Então, por que o silêncio? Tá esquisito.

Futebol
Os sulistas gostam de usar uma frase atribuída a Neném Prancha, de que, “se macumba ganhasse jogo, o campeonato baiano terminava empatado”. Mas vejam. A paulistana TV Bandeirantes exibiu na quarta-feira passada, num programa de esportes, uma matéria em que o repórter consulta um Pai de Santo para saber quem seria o campeão do Brasileirão. O cara disse que seria o Flamengo. Detalhes: nas imagens, aparecem torcedores do Corinthians colocando um “despacho” para o timão ser campeão (tudo em Sampa termina em ão, mas eu acho tudo lá tão inho). E o que é pior ainda. O suposto Pai de Santo trabalha pro Flamengo. E essa gente ainda se considera a “Raça Superior” que quer extinguir os nordestinos. Causam-me frouxos de riso.

Saudades felizes...
“Queridos colegas, É difícil fazer este comunicado. Mas é preciso. A partir desta data estou deixando as minhas atividades na Assessoria de Comunicação do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca). Como servidora da Universidade Estadual de Feira de Santana atingi o tempo exigido por lei para aposentadoria. São quase 20 anos dedicados exclusivamente à assessoria. É muito tempo. Portanto, é tempo de partir. É tempo também de agradecer a todos vocês, e a cada um em particular,
pelo acolhimento, consideração e respeito que sempre me dispensaram e sem os quais não poderia ter realizado o meu trabalho a contento. Durante esses anos de convívio, tive a sorte de estabelecer com vocês, uma relação mais que profissional, porque também afetiva. E isso me traz muito orgulho. Deixo o Cuca. E confesso que uma mistura de sentimentos invade o meu coração. Alegria e ao mesmo tempo tristeza, saudade e principalmente a sensação do dever cumprido. Levo saudades felizes. Muito obrigada”. (Socorro Pitombo).

Amiga e colega querida
Não pense que vai se livrar da gente assim tão fácil. Você verá que as emoções começam agora. Vamos brincar de viver e deixar a saudade de lado, por enquanto. A gente se vê por aí...

Musical Asa Branca
Depois do lançamento do grupo, ocorrido no dia 23 passado, no clube da Cerb, o Musical Asa Branca está a disposição para apresentações. Quem se interessar pode agendar uma apresentação pelo telefone (75) 9139-4977. O trabalho é voluntário, gratuito, e dirigido a idosos.




Pára choque de caminhão
“Eu quero morrer em paz, durante o sono, como meu avô. E não gritando aterrorizado como seus passageiros”. (coletado pela professora Lélia Vitor)

Philosopher
“Você pode tirar um mulher da ralé, mas não pode tirar a ralé de uma mulher” (anônimo).

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*
Por hoje é só que agora eu vou ali...

E agora? Que fazer com essa tal terceira idade?


Esta semana comemora-se o Dia do Idoso, transcorrido na terça-feira (27). Lembrei-me de que, quando rapaz, costumava imaginar a que idade eu chegaria. Era uma época em que uma pessoa de 40 anos já era considerada velha. Morria-se com 60 anos em média. E eu achava que, devido à vida extravagante que levava, se chegasse aos 60, o que viesse seria lucro.
E agora vejo que, em pouco mais de dois anos faço 60 anos. Posso até morrer antes, de susto, bala ou vício, mas me sinto em forma e creio que ainda posso avançar mais no tempo, e, dependendo da vontade de Deus, quem sabe consigo o feito do meu amigo Gil Porto, que chegou aos 90 anos com boa saúde, forte e lúcido.
Mas o problema é que eu não sei se quero viver tanto. Quando eu olho em minha volta e vejo como os idosos são maltratados, tenho medo. Afora aqueles que são bem cuidados pelas suas famílias, ou estão em asilos ou frequentam centros de convivência, os idosos estão comendo o pão que o diabo amassou.

Ninguém respeita um idoso. Pelo contrário, não se dá atenção a eles, que são vítimas de todo tipo de agressão. Vejo na zona rural idosos sendo assaltados ao voltar para casa com o dinheiro de uma pensão ou aposentadoria. Vejo parentes usando o cartão de crédito dos idosos para afundá-los em dívidas impagáveis. Vejo instituições financeiras oferecendo empréstimos mirabolantes, com a conivência do governo, que atolam os idosos em dívidas.

Inventaram filas para idosos nos bancos, nas casas lotéricas e no escambau do Ovo da Ema. Mas, de que adianta? O número de idosos aumentou, porque aumentou a longevidade do ser humano devido aos avanços da medicina. Assim sendo, as filas para idosos são enormes, e eles ficam em pé por horas, porque ninguém lhes oferece o conforto de um assento.

Não. Não quero viver assim. Mas como não depende de mim, eu vou tentar viver como sempre vivi, sem me preocupar com o dia de amanhã, porque, assim como o dia de hoje, o amanhã pertence a Deus. A ele entrego todos os dias a minha vida, para que a faça conforme a sua vontade e não a minha, pois ele sabe o que é melhor para mim. 

E como sempre digo, viver é estar de bem consigo mesmo e com os outros. De bem com a vida, em paz consigo e com Deus. E mesmo nos momentos mais difíceis da vida, quando bate aquela impressão de que não vamos conseguir vencer os desafios, não desistir. E apesar da derrota numa batalha, saber que outras virão e que, a derrota nos torna mais fortes e preparados para outras batalhas. Até o dia em que o criador nos conceder um merecido descanso.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O Cravo não brigou com a Rosa


Chegamos ao limite da insanidade da onda do politicamente correto.
Soube dia desses que as crianças, nas creches e escolas, não cantam mais “O Cravo brigou com a Rosa”. A explicação da professora do filho de um camarada foi comovente: a briga entre o Cravo - o homem - e a Rosa - a mulher - estimula a violência entre os casais. Na nova letra “o Cravo encontrou a Rosa/ debaixo de uma sacada/o Cravo ficou feliz /e a Rosa ficou encantada”.

Que diabos é isso? O próximo passo é enquadrar o Cravo na Lei Maria da Penha? Será que esses doidos sabem que “O Cravo brigou com a Rosa” faz parte de uma suíte de 16 peças que Villa Lobos criou a partir de temas recolhidos no folclore brasileiro? É Villa Lobos, cacete!

Outra música infantil que mudou de letra foi Samba Lelê. Na versão da minha infância o negócio era o seguinte: Samba Lelê tá doente/ Tá com a cabeça quebrada/ Samba Lelê precisava/ É de umas boas palmadas. A palmada na bunda está proibida. Incita a violência contra a menina Lelê. A tia do maternal agora ensina assim: “Samba Lelê tá doente/ Com uma febre malvada/Assim que a febre passar/A Lelê vai estudar. Se eu fosse a Lelê, com uma versão dessas, torcia pra febre não passar nunca. Os amigos sabem de quem é “Samba Lelê”? Villa Lobos, de novo. Podiam até registrar a parceria. Ficaria assim: Samba Lelê, de Heitor Villa Lobos e Tia Nilda do Jardim Escola Criança Feliz.
Comunico também que não se pode mais atirar o pau no gato, já que a música desperta nas crianças o desejo de maltratar os bichinhos. Quem entra na roda dança, nos dias atuais, não pode mais ter sete namorados para se casar com um. Sete namorados é coisa de menina fácil. Ninguém mais é pobre ou rico de marré-de-si, para não despertar na garotada o sentido da desigualdade social entre os homens.

Dia desses alguém, não me lembro exatamente quem, se saiu com essa (e não procurei a referência no meu babalorixá virtual, Pai Google da Aruanda), foi espinafrado porque disse que ecologia era, nos anos setenta, coisa de viado. Qual é o problema da frase? Ecologia, de fato, era vista como coisa de viado. Eu imagino se meu avô, com a alma de cangaceiro que possuía, soubesse, em mil novecentos e setenta e poucos, que algum filho estava militando na causa da preservação do mico leão dourado, em defesa das bromélias ou coisa que o valha. Bicha louca, diria o velho.

Vivemos tempos de não me toques que eu magôo. Quer dizer que ninguém mais pode usar a expressão coisa de viado? Que me desculpem os paladinos da cartilha da correção, mas isso é uma tremenda babaquice. O politicamente correto é a sepultura do bom humor, da criatividade, da boa sacanagem. A expressão coisa de viado não é, nem a pau (sem duplo sentido), ofensa a bicha alguma.
Daqui a pouco só chamaremos o anão - o popular pintor de roda-pé ou leão de chácara de baile infantil - de deficiente vertical. O crioulo - vulgo picolé de asfalto ou bola sete (depende do peso) - só pode ser chamado de afrodescendente. O branquelo - o famoso branco azedo ou Omo total ou macarrão sem molho - é um cidadão caucasiano desprovido de pigmentação mais evidente. A mulher feia - aquela que nasceu pelo avesso, a soldado do quinto batalhão de artilharia pesada, também conhecida como o rascunho do mapa do inferno- é apenas a dona de um padrão divergente dos preceitos estéticos da contemporaneidade.

O gordo - outrora conhecido como rolha de poço, chupeta do Vesúvio, Orca, baleia assassina e bujão - é o cidadão que está fora do peso ideal. O magricela não pode ser chamado de morto de fome, pau de virar tripa e Olívia Palito. O careca não é mais o aeroporto de mosquito, tobogã de piolho e pouca telha.

Nas aulas sobre o barroco mineiro, não poderei mais citar o Aleijadinho. Direi o seguinte: o escultor Antônio Francisco Lisboa tinha necessidades especiais. Não dá. O politicamente correto também gera a morte do apelido, essa tradição fabulosa do Brasil.

O recente Estatuto do Torcedor quer, com os olhos gordos na Copa e 2014, disciplinar as manifestações das torcidas de futebol. Ao invés de mandar o juiz pra puta que o pariu e o centroavante pereba tomar no olho do cu, cantaremos nas arquibancadas o allegro da Nona Sinfonia de Beethoven, entremeado pelo coro de Jesus, alegria dos homens, do velho Bach.

Falei em velho Bach e me lembrei de outra. A velhice não existe mais. O sujeito cheio de pelancas, doente, acabado, o famoso pé na cova, aquele que dobrou o Cabo da Boa Esperança, o cliente do seguro funeral, o popular tá mais pra lá do que pra cá, já tem motivos para sorrir na beira da sepultura. A velhice agora é simplesmente a “melhor idade”.

Se Deus quiser morreremos, todos, gozando da mais perfeita saúde.
Defuntos? Não. Seremos os inquilinos do condomínio Cidade do pé junto.

NE – O texto é de Luiz Antonio Simas (http://hisbrasileiras.blogspot.com)
Mas assino embaixo. Não dá, por exemplo, para chamar o Emúrcio, meu amigo de infância, Nêgo Mu, de Afrodescendente Mu. Isso é colóquio malemolente para dormitar bovinos, ou, como no velho popular: Conversa mole para boi dormir.

PS – Recomendo a leitura do livro “Politicamente incorreto”, do Danilo Gentili, e ria da cara dos políticos antes que eles riam da sua cara. (Cristóvam Aguiar)

Quatro atrações animam o Quinta Autoral Caiubi hoje no Cuca

Paulo Costa, Guymeo Jumonji e Ébano são as atrações de mais uma edição do Quinta Autoral Caiubi, que acontece nesta quinta-feira (29), a partir das 20 horas, no teatro do Centro Universitário de Cultura e Arte (Cuca), com entrada franca. Para completar a noite, o cantor e compositor Dionorina faz as honras da casa, com a saudação musical aos convidados.
Paulo Costa é um dos artistas mais aplaudidos por onde se apresenta. Seu trabalho traz como marca o cuidado com a perfeição, o que garante a qualidade de suas criações. O artista também está engajado no movimento de valorização da música autoral em Feira de Santana.

Guymeo Jumonji é considerado uma revelação entre os talentos da nova geração. Sua formação musical vem sendo toda construída em Feira de Santana, para onde veio aos 3 anos de idade, quando a família decidiu morar aqui procedente da cidade mineira de Conselheiro Lafayete. Isso resultou em participação e premiação em festivais como o Vozes da Terra.

Ébano volta a Feira com uma bagagem contendo dois CDs gravados e um repertório com mais 40 composições. Atualmente residindo em Uma, sul do Estado, ele tem forte influência musical por ser neto do maestro Sirilo Barbosa e irmão do reggaeman Dionorina.

Dionorina faz a habitual saudação musical aos convidados do evento que idealizou. O artista se prepara para o lançamento do seu novo CD, “Dionorina Nu”, que acontece no dia 7 de outubro, às 20 horas no teatro de arena do Cuca.

O evento conta com o apoio cultural da Universidade Estadual de Feira de Santana, por meio do Cuca, com produção e apresentação do jornalista Geraldo Lima.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Sou Feliz com a idade que tenho (?)

Até o ano de 2006 o Dia do Idoso era celebrado no Brasil no dia 27 de Setembro (Dia Internacional do Idoso). Porém, em razão da criação do estatuto do idoso em 1º de Outubro, a comemoração foi transferida para esta data, de acordo com a lei número 11.433 de 28 de Dezembro de 2006, sancionada pelo então presidente Lula.

O conceito de envelhecer está sempre vinculado às características negativas como improdutividade e impossibilidades, além de ser carregado de preconceitos e temores daqueles que ainda não atingiram esta faixa etária. Perceber limites e reconhecer as competências geradas pelo envelhecimento é o primeiro passo para viver bem.

Um importante estudioso do comportamento humano, Carl Jung, resume em uma frase uma boa definição para o envelhecer: “Depois de haver esbanjado luz e calor sobre o mundo, o Sol recolhe os seus raios para iluminar-se a si mesmo”. Bonito não?

Porém, o fato é de que poucos estão preparados para conviver com a velhice. Os jovens normalmente não têm paciência com seus pais, avós, ou qualquer outra pessoa que chegou a terceira idade. É fato também que muitos dos que passam dos 60, 70 anos, se entregam a ociosidade e ficam esperando a hora de partir para outro plano. 

Eu ainda não cheguei lá, mas, não demora muito. Exatamente no dia 1º de outubro, quando se celebra o Dia do Idoso no Brasil, estarei completando 53 anos. Porém, me sinto jovem. Como disse Dom Helder Câmara "quem não entende a vida e não descobre a razão para viver e não vibra, não se empolga, pode ter vinte anos, mas já envelheceu. É preciso aprender com o vinho a melhorar envelhecendo e, sobretudo, a escapar do perigo terrível de, envelhecendo, virar vinagre. É tão importante saber envelhecer! Saber descobrir o encanto de cada idade. Sem dúvida, há limitações que a velhice traz.

Feliz de quem envelhece por fora, conservando-se em compreensão para com tudo e para com todos, caminhando, sempre mais no amor de Deus e no amor do próximo... Quem conserva acesa a sua chama, quem mantém entusiasmo pelo que faz, quem sente razões para viver pode ter o rosto cheio de rugas e a cabeça toda branca, ainda assim é jovem!

Cada fase em nossa vida é única, e como tal deve ser vivida... O dom da vida que nos foi dado, deve sempre ser valorizado no momento atual, pois não sabemos até quando vai nossa missão nesse pequeno espaço que ocupamos... Saber amadurecer pode ser uma arte, mas com certeza, arte maior é saber desfrutar com todo sabor o doce de se tornar um pouco mais maduro a cada dia..."
Desejo que você, quando idoso, viva uma vida longa, mas que nunca fique velho.
De minha parte, sou muito feliz com a idade que tenho!

Domingo é dia de Encontro de Figuras Populares


No próximo domingo (02) vai acontecer o 10º Encontro de Figuras Populares de Feira de Santana. O evento será a partir das 10 horas, na Euterpe Feirense, clube que completa 90 anos de fundação no mês de novembro e atualmente é presidido pelo comerciante Antonio Carlos Cerqueira. 

Conforme fotojornalista Reginaldo Tracajá Pereira, organizador do evento, está confirmada a presença da professora da Universidade Federal de Sergipe, Vera Ferreira, neta legítima de Virgulino Lampião que virá acompanhada do jornalista Josailton Lima, editor do jornal Cinform de Aracaju. Josailton, que também é escritor e poeta, trará alguns livros de sua autoria que serão lançados.
 
Na programação o pré-lançamento do livro de Alberto Peixoto “Dasdores - A Difícil Vida Fácil”; apresentação do Bumba Meu Boi de Jaguara, que tem como madrinha a professora e diretora regional do INSS, Hildete Farias, filha do saudoso aboiador Joel Farias ; Exposição de fotografias e feira literária, incluindo novidades na área de cordel. No segmento musical estarão no Encontro de Figuras Populares, os cantores Cescé, Dito Leopardo, Neném do Acordeon, Zé Trindade, Samba de Brilhante, de Irará. Espera-se também as presenças de Ninha da banda Trem de Pouso e Sarajane.

Como acontece num domingo, a programação deverá ser aberta às 10 horas e se prolongar até às 17 horas. "Trata-se de uma festa popular democrática e livre, onde todos têm direito de participar desde que cumpram o regulamento que é igual à Constituição dos Estados Unidos, diz tudo em poucas linhas, mas todos obedecem!", declara Tracajá.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Carro movido a café atinge 120 km/h

Estamos na era dos combustíveis alternativos, buscando formas de reduzir os poluentes e a agressão ao meio ambiente. O "Coffee Car" é uma dessas opções: ele usa café como combustível e, por incrível que pareça, anda mais que muito carro movido a gasolina! E você achava que o café só servia para te dar mais energia em dias de sono...
O veículo foi desenvolvido pelo engenheiro britânico Martin Bacon e alguns voluntários. O carro ainda bateu recorde no Guiness Book ao rodar em uma velocidade média de 107 km/h, batendo a marca anterior de 72 km/h. "Em nossa primeira corrida, chegamos a 120 km/h. Na segunda, perdemos velocidade por causa do vento e chegamos a 93 km/h, o que nos garantiu uma média de 107 km/h", explicou o desenvolvedor para o site TGDaily. O Coffee Car utiliza a borra de café dispensada por lanchonetes e restaurantes.

Não é o primeiro recorde batido pelo carro, que tem como base o Rover SD1, de 6 cilindros, equipado com um gaseificador especial que proporciona a explosão dentro do motor. "A razão pela qual batemos o recorde de velocidade foi para mostrar que a velha tecnologia de gaseificação, que é considerada lenta nos dias de hoje, pode ser bastante eficiente ao passar por alguns ajustes", explica a equipe.(http://olhardigital.uol.com.br)

Gil Porto e a promessa para São Cosme e São Damião


Oportunamente, estava eu a ler o livro do meu amigo Gil Porto, “Memórias do Véi Gil, dos 10 aos 90”, quando me deparei com a deliciosa estória da promessa que ele fez a São Cosme e São Damião, que, coincidentemente, estão sendo festejados esta semana. Até agora estou rindo.
         Trata-se do seguinte: Dona Wanda, esposa de Gil, com a morte do pai recebeu parte de uma fazenda como herança. Cabia a Gil administrá-la e torná-la produtiva. Ele tomou um empréstimo no Banco do Brasil para plantar milho. A idéia era limpar o campo, e uma vez colhido o milho, plantar capim para começar a criar gado.
         Porém, veio uma estiagem prolongada que colocava em risco a colheita da roça de milho. Num final de semana ele chegou à fazenda e recebeu da caseira, Dona Bernarda, de que lá estivera um fiscal do banco e partiu deixando o seguinte recado: “Diga a Gil que se chover nos próximos quinze dias ele ganha a roça. Mas, se não chover, ele perde tudo”.
Preocupado, Gil olhou para as paredes e viu num quadro as imagens de São Cosme e São Damião. Então fez a seguinte promessa aos santos: Se os senhores mandarem chuva e eu ganhar a roça, prometo fazer um caruru festejado com samba, em sua homenagem, todo ano. Mas se não chover, boto vocês num rabo de foguete e mando embora, porque lugar de santo é no céu”.
Poucos dias depois, caiu uma trovoada e ele ganhou a roça. Dali em diante, durante vinte anos, no dia de Cosme e Damião havia reza, com samba, cachaça, caruru, vatapá, efó, frigideira, feijão fradinho, farofa de dendê, tudo conforme o figurino, durante dois dias seguidos, com a participação de toda a família, amigos e empregados da fazenda. (Cristóvam Aguiar)

Dia Mundial do Turismo

Para muita gente envolvida com a atividade turística, o Brasil tem bastante o que comemorar neste 27 de setembro, Dia Mundial do Turismo. O país está mostrando ao mundo o vigor de uma economia em crescimento e é bem visto pelos turistas — 97,2% dos turistas estrangeiros que visitam o país indicam desejo de retornar, segundo o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur).
A razão disso reside, principalmente, nas belezas naturais do Brasil e na boa acolhida do povo, brasileiro: famoso pela alegria e pela generosidade.
O Litoral Norte da Bahia é um desses paraísos que só o Brasil Possui. Em Imbassaí, no município de Mata de São João, pode-se vislumbrar melhor essas belezas naturais e desfrutar do conforto de seus hotéis e pousadas. Um grande exemplo é o Resort Hotel Costa dos Coqueiros, situado na paradisíaca Praia de Imbassaí, uma das mais belas praias da Linha Verde e do Nordeste brasileiro. Um local onde a natureza não poupou esforços para agradar aqueles que desejam viver momentos únicos no litoral Norte da Bahia.

Os seis quilômetros de praias são margeados por dunas elevadas e, por trás delas, corre paralelo o Rio Imbassaí, oferecendo um banho de água doce e calma. As opções para uma boa caminhada são as mais agradáveis e variadas possíveis. Passear pelo vilarejo, visitar a Lagoa de Jauára, que fica logo após uma trilha ecológica, tendo sempre o mar à vista.

Imbassaí conta também com uma belíssima cachoeira, onde renova-se todas as energias tanto com a água quanto com a beleza do lugar.

O Hotel
O Resort Hotel Costa dos Coqueiros, é um refúgio fantástico do Litoral Norte da Bahia, que começa logo depois da famosa Praia do Forte e vai se esgueirando por recantos indescritíveis criados pela natureza. O rio Imbassaí desponta como uma flecha dourada atingindo em cheio um pedaço azul do oceano Atlântico.
O turista desfruta do carisma natural e da tranqüilidade dos deuses, os ingredientes que fazem o tempero do conforto aliado a um serviço altamente qualificado.
Um hotel completo, localizado numa área de preservação ambiental, com toda a infra-estrutura necessária para você passar momentos inesquecíveis. Seja pra se divertir ou descansar, o Resort Costa dos Coqueiros é o lugar perfeito para você.

E para o seu total conforto, o Costa dos Coqueiros oferece apartamentos equipados com frigobar, internet wireless, ar condicionado, varanda e um delicioso café da manhã, incluso na diária. Além de salão de jogos, piscina adulto e infantil, parque infantil, quadra de esportes, bar, restaurante, auditório fechado, auditório aberto, sala de TV, baby copa, sauna, boate e programação diária de esporte e lazer.

“Sou feliz com a idade que tenho”


Este é o tema da 9ª Semana Municipal do Idoso que terá abertura por uma caminhada nesta terça-feira (27), às 15 horas, com participação de cerca de 700 idosos do Centro de Convivência D. Zazinha Cerqueira, Associação Feirense de Assistência Social (AFAS) e Unimed. As pessoas da melhor idade vão percorrer a avenida Getúlio Vargas, entre o Monumento a Maria Quitéria e o estacionamento do Paço Municipal Maria Quitéria.

A abertura oficial do evento será na quarta-feira (28), no Centro de Cultura Maestro Miro, às 14 horas. O palestrante Joval Lacerda vai abordar o tema “Sou feliz com a idade que tenho”.

A programação segue com uma Mostra Cultural na quinta-feira (29), no Maestro Miro, e também inclui uma série de atividades físicas e culturais que serão desenvolvidas durante toda a semana no Centro D. Zazinha. O encerramento será no dia 30 de setembro (sexta-feira) com uma Tarde Dançante, a partir das 14 horas, no Feira Tênis Clube.(Informações da Secom)

Padreco e Miracy, uma dupla que encanta no Musical Asa Branca

Miracy Barreto nasceu em Salvador e chegou a Feira de Santana em 1960, casada e com filhos. Ela era, na plenitude da palavra, Dona de Casa, totalmente dedicada a cuidar do lar, do marido e dos filhos. Ela sempre gostou de cantar, mas só fazia isso em casa, nunca encarou um microfone, uma platéia. Todos os seus irmãos cantavam ou tocavam algum instrumento. Segundo ela, aos oito anos formava dupla com um irmão de cinco anos, que era a atração da casa quando chegavam visitas.

Mas era só isso. Nunca cantou, nem de forma amadora, fora de casa. Só por volta de 1999, a partir da criação da Universidade Aberta à Terceira Idade (UATI), pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), foi que ela começou a cantar em público.

Por aquele tempo ela já estava separada do marido e conheceu Padreco, que foi quem a levou pela primeira vez a uma seresta no Bengu’s Bar, onde até hoje ela canta e encanta as platéias. Dona de uma voz impar, muito simpática e extrovertida, Mira, como é chamada pelos amigos, diz que a música faz parte da sua vida. “Eu acho que o mundo sem a música seria um caos”, diz ela.

Quando completou 80 anos, Mira gravou um CD ao vivo, na seresta do Bengu’s Bar, que ela distribuiu com os amigos. “É um CD comemorativo dos meus 80 anos e também uma forma de homenagear o Bengu’s Bar que foi o primeiro lugar onde cantei em público e que até hoje eu freqüento e canto para os meus amigos”, diz ela.

Padreco

Se alguém perguntar por Ailton de Oliveira Lopes, ninguém saberá dizer quem é, exceto os parentes. Mas, Padreco, todo mundo sabe quem é. Ele é feirense, tem 75 anos, e nasceu numa fazenda onde hoje se localiza o distrito de Humildes. O apelido foi dado ainda na adolescência, no colégio Salesiano, de Salvador, quando deu uma bofetada num padre que teria procurado licenciosidades com ele. Depois disso, foi transferido para o colégio Maristas, também dirigido por padres, Não aceitando receber como castigo uma surra com vara de bambu, tomou a vara do padre e o agrediu. Foi expulso do colégio.

Depois disso Padreco voltou para Feira de Santana e estudou na antiga Escola Normal, onde hoje é o Centro Universitário de Cultura e Arte. Entrou para o antigo DNER (hoje DNIT) e correu esse Brasil quase todo, inclusive trabalhou na construção da Transamazônica. Quem olha o tipo franzino de baixa estatura, não pode avaliar o potencial de Padreco como lutador, inclusive de Capoeira. Também é atirador de primeira, já tendo sido convocado para servir como segurança de figurões como o Coronel PM Luiz Artur e o Ministro Mário Andreazza.

Aposentado pelo DNER, hoje Padreco vive ao lado de Miracy a 13 anos,e faz dupla com ela tocando percussão e também canta, e, de quebra, dança muito bem. Um verdadeiro Pé de Valsa.(Cristóvam Aguiar)

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Musical Asa Branca se apresenta pela primeira vez

Com Zé Trindade nos teclados, Padreco no Bongô, Miracy e Cristóvam Aguiar nos vocais, o Musical Asa Branca se apresentou ao público, pela primeira vez, na sextga-feira passada. O grupo que pretende levar, voluntariamente, sem custos, momentos de lazer para os idosos que vivem nos asilos ou frequentam centros de convivência, está prontinho. 

As apresentações são agendadas pelo telefone (75) 9139-4977 para os sábados pela tarde ou nas manhãs dos domingos. Excepcionalmente poderão ocorrer apresentações no meio da semana, dependendo de agendamento prévio. 

Depois de muitos ensaios e escolha de um repertório eclético, o grupo se apresentou, na noite de sexta-feira(23) à sociedade feirense, aos amigos e à imprensa, no Clube da Cerb, na rua Barão de Cotegipe, no bairro Pilão. O professor Novaes, que toca flauta transversa, não pode se apresentar por motivos de saúde. Logo, logo traremos mais detalhes.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011






BIOS
Sempre que não conseguia realizar alguma operação no seu computador, um amigo meu chamava um técnico que lhe dizia que o problema era no BIOS. De tanto ele falar neste tal de BIOS, um dia ele perguntou ao técnico que peça era o BIOS. “Bicho Ignorante Operando o Sistema”, respondeu o técnico. Ou seja, o problema estava entre a cadeira e o monitor, no caso, ele mesmo.

Comentários
Eu publico no Blog comentários assinados e pertinentes, sem discriminação de qualquer espécie. Só não aceito desrespeito, xingamentos e anonimatos. Também não discuto opinião de ninguém. Por isso que quero dizer ao senhor Alex, que parece ter ficado incomodado porque estou divulgando a Semana Espírita, com a mesma ênfase com divulgo eventos da Igreja Católica e de outras instituições sérias, que eu sou jornalista, e como tal, imparcial. Quanto à minha fé, é algo de foro íntimo, como a de qualquer outra pessoa, inclusive do Alex.

Tabuleiro da Bahia
Este é o nome do novo programa da TV Aratu que irá ao ar no dia 01 de outubro mostrando tudo sobre Feira de Santana, com entrevistas de figuras famosas da cidade. Nele será apresentado um videoclip da cantora Celiah Zaiin cantando o Hino a Feira, com locações na escadaria do Museu do Cuca, no prédio da Prefeitura, na escultura de Juracy Dórea, no monumento a Maria Quitéria, no busto de Getúlio Vargas e no Parque do Saber, encerrando no Coreto da Matriz, local onde Céliah chamou de “Templo da Música Instrumental Nordestina, por mais de quatro décadas, quando Feira tinha dois grandes maestros: o professor Santos e Estevam Moura. Sinto tambem muito respeito pela pianista Georgina de Melo Erismann e sei que era o sonho dela gravar o Hino a Feira”.

Musical Asa Branca
Zé Trindade nos teclados, Padreco no Bongô, Professor Novaes na flauta transversal, Miracy e Cristóvam Aguiar nos vocais. Este é o Musical Asa Branca, um grupo que pretende levar, voluntariamente, sem custos, momentos de lazer para os idosos que vivem nos asilos ou frequentam centros de convivência. As apresentações são agendadas pelo telefone (75) 9139-4977 para os sábados pela tarde ou nas manhãs dos domingos. Excepcionalmente poderão ocorrer apresentações nos dias da semana, dependendo de agendamento prévio. Depois de muitos ensaios e escolha de um repertório eclético, o grupo será apresentado esta noite à sociedade feirense, a partir das 19 horas, aos amigos e à imprensa, no Clube da Cerb, que fica na rua Barão de Cotegipe, no bairro Pilão. A entrada é franca e todos estão convidados a conhecer este nosso trabalho.

Alta rotatividade
Caiu mais um superintendente Municipal de Trânsito e já tem outro no seu lugar. Já é o quarto este ano. E querem saber? Não fica um. Porque todo mundo que chega ali para trabalhar não consegue, porque a ingerência política é muito grande. No dia que isso acabar, teremos respeito no trânsito de Feira de Santana. O difícil é acabar.

Auxílio reclusão
As Centrais Sindicais chiaram com o aumento do salário mínimo para R$ 545,00, porém não estão discordando do aumento do “salário presidiário” para R$ 810,00. Será que os sindicalistas e os governantes do Brasil acreditam que um criminoso merece uma remuneração superior a de um trabalhador? O Auxílio Reclusão foi criado pela portaria nº 48, de 12/2/2009, do INSS.

ProAr
Os pacientes atendidos pelo Programa de Asma e Rinite Alérgica (ProAr), desenvolvido pelo Centro de Saúde Especializado (CSE) Dr. Leone Coelho Leda, receberão medicamentos a partir da próxima segunda-feira (26). A falta dos remédios se deve ao fato do Governo do Estado não ter cumprido a contrapartida. Para adquirir a medicação, a Secretaria Municipal de Saúde irá realizar licitação em caráter emergencial. Medida semelhante foi adotada pela secretaria para garantir os medicamentos oferecidos aos pacientes do CAPS.

Quorum
A sessão ordinária da Câmara Municipal de terça-feira passada (20) ficou cerca de 15 minutos paralisada por falta de quorum, durante a votação do projeto de Decreto Legislativo para entrega da Medalha Dival Figueiredo Machado a ex vereadores. É comum vereadores abandonarem a sessão para atender pessoas e telefones celulares na área livre.

Pára choque de caminhão
“Eu só faço os furos, quem mata é Deus”. (coletado pela professora Lélia Vitor)

Philosopher
“Haverá flores, haverá pedras. E haverá momentos em que terás que jogá-las” (anônimo).

*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*_*
Por hoje é só que agora eu vou ali apresentar o Musical Asa Branca para os meus amigos

Primavera - Tim Maia


Para comemorar a chegada da Primavera.Video com lindas imagens com fundo musical de Tim Maia

A sabedoria popular

Provérbios são ditos populares usados através das eras pelos povos para transmitir sabedoria às novas gerações. Por exemplo: “Cuidado onde Pisa”. “O tempo e a maré não esperam por ninguém”. Mas, se os provérbios devem conter sabedoria, como então eles podem se contradizer? O tom de cautela de “Cuidado onde pisa”, se contrapõe ao tom ousado de “O tempo e a maré não esperam por ninguém”. Dizem que toda unanimidade é burra. Nem sempre isso é verdade, mas, quando um grupo de pessoas concorda unanimemente em torno de um assunto, é bom acender o sinal amarelo e ponderar sobre se não há algo errado.

A ditadura militar pós 1964 implantou o bipartidarismo no Brasil. Quem era da Arena, apoiava o regime militar, quem era do MDB, fazia oposição. E nesta oposição abrigavam-se militantes políticos oriundos de todos os partidos extintos que eram contra o regime militar, inclusos democratas, trabalhistas, socialistas, comunistas e tantas outras ideologias. Com a restauração do Estado de Direito, voltando ao regime democrático, voltamos também ao pluripartidarismo.

E sob a alegação de que as minorias precisariam estar representadas nos poderes, foi que se criou o tal coeficiente eleitoral, que permite que candidatos se elejam mesmo tendo menos votos que outros. E é aí que a porca torce o rabo. Porque com tanta gente dando palpite e puxando a brasa para sua sardinha, qualquer discussão simples se torna numa questão de segurança nacional, discutida por dias, semanas, meses, anos, amarrando ainda mais as já emperradas máquinas, executiva, legislativa e judiciária, em prejuízo das urgências das soluções para os problemas que se avolumam gigantescamente, num país de dimensões continentais como o Brasil.

Há que se dar voz ao povo, às minorias, aos desassistidos, aos descamisados, aos pobres, clamam demagogicamente os políticos. Mas o povo, o povo mesmo, não está nem aí para as questões políticas e administrativas nacionais. O povo não lê, não se informa, não que saber de nada que não seja com relação a pão e circo. Tendo Bolsa Família e alguma comida, futebol e carnaval, o resto todo se ajeita, mesmo que sofra com falta de educação de qualidade, assistência médica, enchentes e balas perdidas.

Ainda existem alguns abnegados que tentam minorar o suposto sofrimento do povo. Mas, logo desistem quando o povo se volta contra eles. Afinal, o povo é o povo. Foi o povo quem elegeu Stalin, Hitler, Hugo Chaves e tantos outros déspotas que impuseram e ainda impõem grandes sofrimentos à humanidade.
Aliás, é sempre bom lembrar que foi o povo quem crucificou Jesus Cristo e mandou soltar o ladrão e assassino Barrabás.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Dia da Amante

 Luís Fernando Veríssimo


Por que não um Dia dos Amantes? Já existe o Dia dos Namorados e hoje em dia a diferença entre namorado e amante tornou-se um pouco vaga. Quando é que namorados se transformam em amantes? Segundo uma moça, experimentada na questão, que consultamos, se a mulher der para o mesmo homem mais de 17 vezes seguidas ele deixa de ser seu namorado e, tecnicamente, passa a ser seu amante. Os critérios variam, no entanto. Em certas regiões, só depois de dormirem juntos dois anos é que namorados se tornam legalmente amantes. Alguns estabelecem um meio termo razoável: 17 vezes ou dois anos, o que vier primeiro. Outros afirmam que a diferença está no grau de intimidade dos dois tipos de relacionamento.

Num caso, as pessoas vão para qualquer lugar onde haja camas — apartamento, hotel ou motel, sendo desaconselháveis hospitais, quartéis e lojas de móveis —, tiram a roupa um do outro às vezes usando só os dentes, atiram-se na cama, rolam de um lado para o outro, enfiam-se os dedos no orifício que estiver por perto, lambem-se, chupam-se, com ou sem canudinho, massageiam-se mutuamente com Chantibon, depois o homem penetra o corpo da mulher com o seu órgão intumescido e os dois corpos movem-se em sincronia até o orgasmo simultâneo, entre gritos e arranhões.
Então se separam, suados, e vão tomar um banho juntos antes de saírem para a rua. Quer dizer, uma coisa superficial e corriqueira. Já o namoro, não. No namoro, não apenas o órgão intumescido mas todo o corpo do namorado penetra na própria casa da namorada todas as quartas-feiras. Eles se sentam lado a lado num sofá quente, coxa a coxa, e chegam a entrelaçar os dedos das mãos. Muitas vezes comem a ambrósia preparada pela mãe da moça com a mesma colher, gemendo baixinho. Existe ainda o prazer indescritível de roçar com o braço o lado do seio da namorada, enquanto se conversa sobre futebol com o pai dela, um prazer que aumenta se, por sorte, estiver com um daqueles sutiãs pontudos usados pela última vez no Ocidente por Terry Moore, em 1953. A namorada, não o pai dela. Isto é que é intimidade.

Existem outros critérios para diferenciar namorado de amante. Amante é o namorado que leva pijama, por exemplo. Uma maneira certa de saber que o namorado já é amante é quando, pela primeira vez, em vez de dar um par de meias para ele no Dia dos Namorados, ela dá um par de cuecas. E você terá certeza de que ele é amante quando sugerir que ela lhe dê um certo tipo de cuecas e ela responder, distraidamente, "esse tipo ele já tem...".

Mas estamos falando de namorados ou amantes, solteiros. No caso do homem casado e com uma amante a coisa se torna mais complicada, e pouco invejável. No caso do homem casado e com várias amantes, se torna mais complicada ainda, e mais invejável. Antes de lançar o Dia dos Amantes os lojistas teriam que fazer uma pesquisa de mercado. O que despertaria a desconfiança dos entrevistados.
— O senhor tem amante?
— Foi minha mulher que o mandou?
— Estamos fazendo uma pesquisa de mercado e...
— Onde é que está o microfone? É chantagem, é?
— Não, cavalheiro. Nós...
— Está bem, está bem. Tem uma moça que eu vejo mas nem se pode chamar de amante. Pelo amor de Deus! É só meia hora de três em três dias. E ela é bem baixinha. "Amante" seria um exagero. Mas eu prometo parar!
Uma vez decidido o lançamento do Dia dos Amantes, as agências de propaganda teriam que escolher a estratégia de marketing ou, como se diz em português, o approach. O tom das peças publicitárias variaria, é claro, de acordo com o tipo de comércio. As lojas de eletrodomésticos poderiam anunciar: "Tudo para o seu segundo lar." Ou então: "Faça-a se sentir como a legítima. Dê a ela uma máquina de lavar roupa." As joalherias enfatizariam sutilmente o espírito de revanchismo do seu público-alvo, sugerindo: "Aquele diamante que sua mulher vive pedindo... Dê para sua amante." Ou, pateticamente: "Já que ela não pode ter uma aliança, dê um anel..." Perfume: "Para que você nunca confunda as duas, dê Furor só para a outra..." Utilidades: "No Dia dos Amantes, dê a ela um despertador. Assim você nunca se arriscará a chegar tarde em casa."

Os comerciais para televisão poderiam explorar alguns lugares-comuns. Por exemplo: Alguém entra no quarto e encontra a amante na cama. Atira um presente no seu colo. Isso a faz se lembrar de uma coisa. Ela abre a gaveta da mesade-cabeceira. E tira um presente. Ele vai pegar, mas o presente não era para ele. Ela levanta da cama, abre o armário e dá o presente para o seu amante escondido lá dentro. Congela a imagem. Sobrepõe logotipo do anunciante e a frase: "Neste Dia dos Amantes, dê uma surpresa." Hein? Hein? Está bem, era só um exemplo.
As confusões seriam inevitáveis. Marido e mulher se encontram numa loja de lingerie. Espanto da mulher: — Você aqui?
Marido: — Ahn, hum, hmmm, sim, ohm, ahm, ram.
— E escolhendo uma camisola!
— É que, ram, rom, ham, ahm, grum. Certo. Quer dizer...
— E você pode me explicar o que está havendo?
— Grem, grum, rahm, rohrn, ahn...
— Não vai me dizer que estava comprando pra mim. Há anos que não uso camisola. Ainda mais desse tipo, preta, transparente e com decote até o umbigo.
— Eu posso explicar.
— Então explique.
— Ahm, rom, rum, rahm, grums.
— Explique melhor.
— Está bem! É para mim, está entendendo agora? Para mim!
— Você?...
— Há anos que eu tento esconder isso de você. Agora você pegou e vou revelar tudo. Adoro dormir de renda preta! Só me controlei até hoje por causa das crianças! Ela compreende. Tenta acalmá-lo. Mas ele agora está agitado. Bate no balcão e grita:
— Também quero ligas vermelhas, um chapelão e chinelos de pompom grená!
Ela o leva para casa, cheia de resignada compreensão. A amante ficará sem o seu presente no Dia dos Amantes, mas pelo menos o marido terá evitado qualquer suspeita. O único inconveniente é que terá de dormir de camisola preta pelo resto da sua vida conjugal.
Por que não um Dia dos Amantes? Você teria que tomar certas precauções, além de jamais entrar numa loja de lingerie. Como uma ausência sua em casa no Dia dos Amantes despertaria desconfiança, telefone para casa antes de ir festejar com a amante.
— Alô, a patroa está?
— Não, senhor.
— Estranho. Ela costuma estar em casa a essa hora. Mas é melhor assim. Diga para ela que eu vou me atrasar um pouco. Estou no hospital para curativos. Nada grave. Fui atropelado por uma manada de elefantes. — Sim, senhor.
Você se dirige para a casa da amante, com o embrulho do presente embaixo do braço. Começa a pensar na ausência da sua mulher em casa. Onde ela teria ido? Lembra-se então de que a viu mais de uma vez olhando com interesse uma vitrine cheia de cachimbos. Na certa pensando num presente para lhe dar. E súbito você pára na calçada como se tivesse batido num elefante. Você não fuma cachimbo!

O MEU AMOR.



Para os amantes...

Dia do (a) Amante

 22 de setembro é o 'Dia do Amante'. A palavra amante significa “aquele que ama”. Contudo, normalmente esta palavra é associada a traição. Numa roda de mulheres casadas, é um assunto que sempre vem a tona. Como você reagiria se soubesse que seu marido tem outra? Essa é uma pergunta frequente. Não costumo conversar sobre essas coisas porque acho que não existe fórmula pronta para lidar com certas situações. É a mesma coisa que perguntar como você reagiria se fosse assaltada ou sequestrada? Fazer suposições é muito fácil. Porém, cada pessoa reage de forma diferente em situações idênticas. Então, é melhor não enfaixar a cabeça antes de quebrar.

Como dizem os estudiosos do assunto, historicamente falando a 'traição' sempre existiu. O Dr. Amaury Mendes Júnior, médico ginecologista com pós-graduação em terapia sexual, afirma que embora considerada moralmente errado em diversas sociedades, ela persistia talvez por causa de uma propensão inata para o comportamento polígamo dos seres humanos. Entre os antigos hebreus uma mulher tinha de ser virgem, na noite de seu casamento e depois permanecer fiel para sempre a seu leito conjugal. Porém, aos homens era permitido o acesso sexual a prostitutas, concubinas, viúvas e criadas domésticas. Só lhes era interditado o relacionamento sexual com mulheres casadas, pois, Deus dizia: Não cobiçarás a mulher do próximo. Certamente foi esta a razão pela qual a proibição divina do adultério foi incluída nos 10 mandamentos, a tendência inata dos homens para a infidelidade.

Também é dito que um (a) bom (a) amante é capaz de salvar um casamento que não tem mais sabor, pois é capaz de anestesiar a crise, melhorando um pouco à tensão no lar. O sexo entre os seres humanos racionais deixou de ser puramente reprodutivo significando hoje em dia domínio, submissão, poder, aceitação, profissão e até mesmo amor, diz ele.

O comportamento poderoso do hormônio testosterona faz com que o homem procure uma mulher para alívio de sua tensão sexual. Os homens tendem a excitar-se sexualmente com mais rapidez do que as mulheres. Esta impulsividade dos homens faz com que haja uma probabilidade maior de adultério por parte destes. Em geral as mulheres buscam amor e apoio, já os homens buscam uma frequência e uma variedade maior de parceiras. Eles dizem que precisam variar o cardápio.

Em todas as épocas a sociedade sempre castigou as mulheres e eximiu os homens de penalidades, sendo inclusive considerado sinal de virilidade possuir muitas mulheres. Steinberg, psicólogo norte americano, explica todo relacionamento entre um par como um triangulo, nomeando os vértices como amor, sexo e objetivos. No início de um relacionamento o que mais rola é sexo, depois entra o amor e por último os objetivos.

Porém sexo é um tipo de relacionamento importante e equilibrado em que as trocas precisam ser exatamente iguais, ou seja, o par precisa sentir-se querido e amado em igual intensidade. O problema é que temos libido diferente uns dos outros, e se as recusas forem constantes, a auto estima do outro vai lá em baixo. É mais fácil trocar de parceiro que terminar com o sonho do amor ideal que existe dentro de todos nós, diz ele.

O médico diz ainda que nas crises, ou quando a paixão diminui, devemos sempre através do dialogo franco rebuscar o amor, pois é a única maneira do casal iniciar um novo ciclo de convivência. Magoas ou fingimentos não levam a nenhum crescimento, podendo mesmo ocorrer o rompimento de uma relação ou a infidelidade, pois a incompreensão mútua diminui a auto estima e o desejo sexual. “Um procedimento muito simples pode ajudar você a superar suas crises conjugais: Nunca vá dormir zangado com seu par, você terá pesadelos”, conclui.

De minha parte, acredito que quando o amor é puro e verdadeiro, se sobrepõe a tudo e a todos e chega o momento em que o parceiro não mais sentirá necessidade de experimentar outros pratos, porque descobre que o melhor mesmo é aquela deliciosa comidinha caseira. Cabe a nós cuidarmos do tempero.

Maura Sérgia

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Médicos implantam chifres em garoto


Médicos inseriram chifres na cabeça de um garoto de cinco anos para retirar uma grande marca de nascença em sua testa, como mostra o jornal Daily Mail.

George Asman nasceu com uma grande mancha vermelha em sua testa. Com quatro anos o garoto passou por um procedimento cirúrgico para esticar a pele 'normal', para que ela encobrisse e removesse a marca.

Na cirurgia, foram inseridos dois expansores de tecido, que gradualmente inflaram, dando a aparência de serem chifres. Após quatro meses os implantes foram removidos, a pele manchada foi cortada e a nova pele costurada na testa de George, que ficou com uma cicatriz similar a do Harry Potter.
(Informações do UOL)

33ª Semana Espírita de Feira de Santana


Uma palestra com o tema “Morte e Imortalidade” proferida pelo médico e conferencista espírita, André Luiz Peixinho, oficializou a abertura da 33ª Semana Espírita em Feira de Santana, na noite de segunda-feira (19), no teatro da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). 

O evento acontecerá entre os dias 25 de setembro e 02 de outubro e também marca os 150 anos de “O Livro dos Médiuns”, uma das obras de Allan Kardec. O objetivo do evento é conscientizar os adeptos do espiritismo sobre os ensinamentos contidos na obra, e que se interessam por trabalhos mediúnicos e pelo desenvolvimento de pesquisas na área.

A 33 ª Semana Espírita contará com uma vasta programação. A partir de sábado (24) será realizada apresentação teatral “Romeu e Julieta, além da vida”, às 20 horas, no teatro do Centro de Cultura Maestro Miro. A entrada é 2 kg de alimentos não perecíveis.

Para o coordenador do Conselho Regional Espírita (CRE) 3, Carlito Moreira, o evento é motivo de grande satisfação para a comunidade espírita feirense. Mostrando-se satisfeito com a participação de grande público na abertura, ele agradeceu a todos pela divulgação e apoio a Semana Espírita. "Hoje é só a abertura oficial e vemos o auditório repleto de pessoas, com certeza será mais um sucesso. Convidamos toda a população para participar do seminário, pois abordaremos temas muito interessantes da doutrina espírita”, ressalta.

No domingo (25) será ministrada a palestra “A vida no mundo espiritual”, pelo diretor da Editora Vinha de Luz, Geraldo Lemos, das 9h às 12 horas, no teatro do Centro de Cultura Maestro Miro. Às 19 horas, o tema do encontro “Morte e Imortalidade” será discutido no Ginásio de Esportes do Colégio Castro Alves.

As crianças de 6 a 11 anos também poderão participar da 7ª Semaninha Espírita que acontecerá de 29 de setembro até o dia 1º de outubro, das 19h até as 21h30, no Ginásio de Esportes do Colégio Castro Alves. No último dia do evento (2 de outubro) o médium psicógrafo, Nilton Souza, fará a leitura e a entrega das cartas espirituais ao entes queridos que participam do encontro.