quinta-feira, 29 de setembro de 2016

"Atenção! Pelas novas regras eleitorais, seu voto na legenda pode ir para outro partido. Vote no número completo do seu vereador ou você poderá eleger um inimigo!"
Você deve ter visto mensagens com esta pipocando nas redes sociais na reta final para a votação do primeiro turno das eleições municipais, que acontece no domingo.
Compartilhadas milhares de vezes, elas citam mudanças no Código Eleitoral propostas durante a presidência do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara e aprovadas em 2015. A alteração, nos artigos 108 e 109, afeta principalmente os candidatos a vereador e deputado que são "puxados" para assumir mandatos graças aos recordistas de votos de seus partidos.
Você deve se lembrar de casos célebres nas eleições de 2014: o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP), por exemplo, teve 1,5 milhão de votos e acabou elegendo outros quatro candidatos do seu partido. Outro exemplo famoso é o do palhaço Tiririca (PR-SP), que teve mais de um milhão de votos e "puxou" dois colegas de legenda. Sem o empurrão dos candidatos recordistas, seus colegas homens não teriam votos suficientes para se eleger à Câmara.

E por que isso acontece?
A legislação permite que o "excesso" de votos de um candidato seja "transferido" para outros do mesmo partido, graças a um dispositivo chamado "quociente partidário" (entenda abaixo).  Mas, com a alteração na lei, estes candidatos "puxados" pelos recordistas de votos agora têm um novo obstáculo antes de assumir cargos públicos: eles precisam alcançar uma "nota de corte", um total mínimo de votos determinado por com outro dispositivo, chamado "quociente eleitoral".
Se estes candidatos não alcançarem a nota de corte, os votos na legenda poderão ir, sim, para outros partidos - normalmente os maiores e com mais dinheiro.
Quer dizer que um voto no PC do B pode ir para o PSDB? Um para o DEM pode ser transferido para o PT? Um no PSOL pode cair no colo do PMDB?
Entenda o passo a passo sobre o que mudou, no site BBCBrasil


Um estúdio holandês de arquitetutra criou o que pode ser a solução para disputas de divórcio ou mesmo uma resposta para a necessidade de mais espaço quando a família aumenta: uma "casa pré-nupcial", que tem a capacidade de se dividir e de receber mais módulos.
A ideia é da firma OBA, com sede em Amsterdã. O fundador do estúdio, Vincent Ringoir, de 23 anos, disse à BBC Mundo (o serviço em espanhol da BBC) que a inspiração veio do famoso jogo de computador Tetris - aquele em que usuários precisam encaixar peças de formatos diferentes que caem do alto da tela.
Ringoir explica que a casa é composta por duas unidades que ocupam um total de 108 metros quadrados e que, quando alguém quiser separá-las, há a possibilidade de instalar de forma "fácil, rápida e barata" outro quarto e outra cozinha à unidade que ficar desprovida. O mesmo se dá com o banheiro.
A ideia original foi de Omar Kibri, um profissional de relações-públicas amigo de Ringoir e que trouxe ao estúdio a proposta de comprar uma casa com a namorada e ter a possibilidade de dividi-la. "Foi aí que desenvolvemos o desenho da que pode se partir em duas", explica Ringoir.

Mas a "casa pré-nupcial" virá também em versão flutuante, algo que pode ser bastante útil para a Holanda, não apenas por causa da grande quantidade de habitações flutuantes em seus canais, mas pelo fato de ser um país em que a taxa anual de divórcios para casamentos è de 43%.  No caso das habitações flutuantes, cada unidade acabará flutuando por sua conta em caso de separação. Leia mais no BBCBrasil.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

“A escrita como uma pulsão mais forte”. Assim o poeta e artista plástico Antônio Brasileiro define a escritura poética da coletânea “há um poema morto na sala”, o segundo livro de poesias de José de Assis Freitas Filho. Segundo ele, o autor “é desta estirpe de poetas que escrevem por uma absoluta precisão. A escrita e a vida, uma e outra uma só”.
O que primeiro chama atenção no livro, selecionado em edital da Uefs Editora, é a forma direta e contundente de seu título, o qual pode ser lido como um verso. Em sua sintaxe, cuja força se concentra no verbo “haver”, o que o poeta percebe é um acontecimento invisível, ilegível e insonoro: o tédio, “esse monstro delicado”, como o chamou Baudelaire.
A sala de que nos fala o poeta feirense não é metafórica, mas a “enorme realidade” da condição humana a que se refere Drummond num dos poemas de Sentimento do mundo. Nesta coletânea, o que o autor nos instiga a ver, ler e ouvir é a sensação dolorosa deste tempo dito “pós-moderno”, o do modelo do vale-tudo da arte e de qualquer outro fazer e saber. Por isso mesmo, um tempo de signos cada vez mais vazios, mentirosos. Um livro, portanto, em que a poesia resiste a esse modelo.
José de Assis Freitas Filho é jornalista, sociólogo e mestre em Letras. Atua na Assessoria de Comunicação da Uefs e já publicou cinco livros (quatro de narrativas e um de poesia). “há um poema morto na sala” tem lançamento previsto para o dia 29 (quinta-feira), a partir das 16h, no hall do prédio da reitoria da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs).


Quem estiver acompanhando o programa eleitoral gratuito na TV deve ter percebido como ficou difícil descobrir o partido de cada candidato.
As letras miúdas que aparecem no canto da tela ajudam pouco. Mesmo no material impresso da campanha há pouco destaque para o nome e a logomarca do partido. No rádio, a lista dos integrantes da coligação é lida em um ritmo tão veloz que, na maior parte das vezes, é impossível captar todos os partidos.
Esse fenômeno, o de ocultar ou mesmo evitar uma associação entre o candidato e um partido, já vinha ocorrendo em eleições anteriores, mas foi acentuado na campanha para as eleições municipais deste domingo.
Mas por que os nomes dos partidos não aparecem em destaque?
A Justiça Eleitoral exige que o nome dos partidos integrantes da coligação esteja presente nas peças publicitárias de campanha da candidatos majoritários, como os prefeitos.
Não há, contudo, regra estabelecendo tamanho mínimo nem obrigatoriedade de se reproduzir símbolos e logomarcas como, por exemplo, a estrela do PT, o tucano do PSDB, o coração do PT do B ou a foice e o martelo do PC do B.
Diante da ausência de regras, partidos também não costumam fazer exigências, liberando seus quadros para criarem a identidade visual que quiserem. Isso, por exemplo, fez com que alguns candidatos abandonassem os próprios símbolos usados nas eleições de 2012.
Mas especialistas afirmam que a tentativa de se descolar, de dar menos destaque ou até mesmo de esconder as legendas de candidatos pode ter razões variadas.
As explicações vão desde os escândalos recentes de corrupção até as características do sistema eleitoral, além da já conhecida preferência do eleitor brasileiro em votar em pessoas e não em partidos. Cientistas políticos ouvidos pela BBC Brasil ressaltam, contudo, que esse não é um fenômeno recente. Leia mais no BBCBrasil. 


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

 O Hortum Machina tem 3 metros de altura, pesa 400 quilos e, sem piloto ou controle remoto, anda devagar pelas ruas de Londres. Essa megaestrutura, o primeiro jardim ambulante completamente autônomo de que se tem notícia, é uma invenção do arquiteto brasileiro Danilo Sampaio e do engenheiro maltês William Victor Camilleri, com o apoio da escola londrina de arquitetura Bartlett.
Hortum Machina, ou jardim máquina em tradução livre, é um exoesqueleto gigante redondo feito de alumínio reciclável "recheado" de plantas nativas britânicas. "Nada mais é do que a nossa terra", explica Sampaio, que se inspirou nos domos popularizados pelo arquiteto futurista americano Buckminster Fuller.
"Nossa intenção é criar uma extensão de um parque. As plantas saem de uma zona limitada e vão para a rua, para a calçada - locais onde não há área verde".
As reações químicas das folhas com o meio exterior, a eletro-fisiologia, funcionam um pouco como o nosso sistema nervoso, explicam os dois inventores. Sampaio e Camilleri usam eletrodos para recolher e analisar essas reações químicas.
"Colocamos as plantas em situações diferentes. Um dos experimentos foi colocar as mesmas plantas em um ambiente com muito sol e depois num outro com pouco sol. Adquirimos dados sobre as reações químicas das folhas e fizemos um cruzamento para entender as variações", relata Sampaio.
Em seguida, os pesquisadores conectam as plantas a um sistema de informações: um minicomputador chamado Raspberry Pie que, ao captar esses dados, pode transformá-los em movimento.

 Leia matéria completa no BBCBrasil 

Por que não um Dia dos Amantes? Já existe o Dia dos Namorados e hoje em dia a diferença entre namorado e amante tornou-se um pouco vaga. Quando é que namorados se transformam em amantes? Segundo uma moça, experimentada na questão, que consultamos, se a mulher der para o mesmo homem mais de 17 vezes seguidas ele deixa de ser seu namorado e, tecnicamente, passa a ser seu amante. Os critérios variam, no entanto. Em certas regiões, só depois de dormirem juntos dois anos é que namorados se tornam legalmente amantes. Alguns estabelecem um meio termo razoável: 17 vezes ou dois anos, o que vier primeiro. Outros afirmam que a diferença está no grau de intimidade dos dois tipos de relacionamento.

Num caso, as pessoas vão para qualquer lugar onde haja camas — apartamento, hotel ou motel, sendo desaconselháveis hospitais, quartéis e lojas de móveis —, tiram a roupa um do outro às vezes usando só os dentes, atiram-se na cama, rolam de um lado para o outro, enfiam-se os dedos no orifício que estiver por perto, lambem-se, chupam-se, com ou sem canudinho, massageiam-se mutuamente com Chantibon, depois o homem penetra o corpo da mulher com o seu órgão intumescido e os dois corpos movem-se em sincronia até o orgasmo simultâneo, entre gritos e arranhões.
Então se separam, suados, e vão tomar um banho juntos antes de saírem para a rua. Quer dizer, uma coisa superficial e corriqueira. Já o namoro, não. No namoro, não apenas o órgão intumescido mas todo o corpo do namorado penetra na própria casa da namorada todas as quartas-feiras. Eles se sentam lado a lado num sofá quente, coxa a coxa, e chegam a entrelaçar os dedos das mãos. Muitas vezes comem a ambrósia preparada pela mãe da moça com a mesma colher, gemendo baixinho. Existe ainda o prazer indescritível de roçar com o braço o lado do seio da namorada, enquanto se conversa sobre futebol com o pai dela, um prazer que aumenta se, por sorte, estiver com um daqueles sutiãs pontudos usados pela última vez no Ocidente por Terry Moore, em 1953. A namorada, não o pai dela. Isto é que é intimidade.

Existem outros critérios para diferenciar namorado de amante. Amante é o namorado que leva pijama, por exemplo. Uma maneira certa de saber que o namorado já é amante é quando, pela primeira vez, em vez de dar um par de meias para ele no Dia dos Namorados, ela dá um par de cuecas. E você terá certeza de que ele é amante quando sugerir que ela lhe dê um certo tipo de cuecas e ela responder, distraidamente, "esse tipo ele já tem...".

Mas estamos falando de namorados ou amantes, solteiros. No caso do homem casado e com uma amante a coisa se torna mais complicada, e pouco invejável. No caso do homem casado e com várias amantes, se torna mais complicada ainda, e mais invejável. Antes de lançar o Dia dos Amantes os lojistas teriam que fazer uma pesquisa de mercado. O que despertaria a desconfiança dos entrevistados.
— O senhor tem amante?
— Foi minha mulher que o mandou?
— Estamos fazendo uma pesquisa de mercado e...
— Onde é que está o microfone? É chantagem, é?
— Não, cavalheiro. Nós...
— Está bem, está bem. Tem uma moça que eu vejo mas nem se pode chamar de amante. Pelo amor de Deus! É só meia hora de três em três dias. E ela é bem baixinha. "Amante" seria um exagero. Mas eu prometo parar!
Uma vez decidido o lançamento do Dia dos Amantes, as agências de propaganda teriam que escolher a estratégia de marketing ou, como se diz em português, o approach. O tom das peças publicitárias variaria, é claro, de acordo com o tipo de comércio. As lojas de eletrodomésticos poderiam anunciar: "Tudo para o seu segundo lar." Ou então: "Faça-a se sentir como a legítima. Dê a ela uma máquina de lavar roupa." As joalherias enfatizariam sutilmente o espírito de revanchismo do seu público-alvo, sugerindo: "Aquele diamante que sua mulher vive pedindo... Dê para sua amante." Ou, pateticamente: "Já que ela não pode ter uma aliança, dê um anel..." Perfume: "Para que você nunca confunda as duas, dê Furor só para a outra..." Utilidades: "No Dia dos Amantes, dê a ela um despertador. Assim você nunca se arriscará a chegar tarde em casa."

Os comerciais para televisão poderiam explorar alguns lugares-comuns. Por exemplo: Alguém entra no quarto e encontra a amante na cama. Atira um presente no seu colo. Isso a faz se lembrar de uma coisa. Ela abre a gaveta da mesade-cabeceira. E tira um presente. Ele vai pegar, mas o presente não era para ele. Ela levanta da cama, abre o armário e dá o presente para o seu amante escondido lá dentro. Congela a imagem. Sobrepõe logotipo do anunciante e a frase: "Neste Dia dos Amantes, dê uma surpresa." Hein? Hein? Está bem, era só um exemplo.
As confusões seriam inevitáveis. Marido e mulher se encontram numa loja de lingerie. Espanto da mulher: — Você aqui?
Marido: — Ahn, hum, hmmm, sim, ohm, ahm, ram.
— E escolhendo uma camisola!
— É que, ram, rom, ham, ahm, grum. Certo. Quer dizer...
— E você pode me explicar o que está havendo?
— Grem, grum, rahm, rohrn, ahn...
— Não vai me dizer que estava comprando pra mim. Há anos que não uso camisola. Ainda mais desse tipo, preta, transparente e com decote até o umbigo.
— Eu posso explicar.
— Então explique.
— Ahm, rom, rum, rahm, grums.
— Explique melhor.
— Está bem! É para mim, está entendendo agora? Para mim!
— Você?...
— Há anos que eu tento esconder isso de você. Agora você pegou e vou revelar tudo. Adoro dormir de renda preta! Só me controlei até hoje por causa das crianças! Ela compreende. Tenta acalmá-lo. Mas ele agora está agitado. Bate no balcão e grita:
— Também quero ligas vermelhas, um chapelão e chinelos de pompom grená!
Ela o leva para casa, cheia de resignada compreensão. A amante ficará sem o seu presente no Dia dos Amantes, mas pelo menos o marido terá evitado qualquer suspeita. O único inconveniente é que terá de dormir de camisola preta pelo resto da sua vida conjugal.
Por que não um Dia dos Amantes? Você teria que tomar certas precauções, além de jamais entrar numa loja de lingerie. Como uma ausência sua em casa no Dia dos Amantes despertaria desconfiança, telefone para casa antes de ir festejar com a amante.
— Alô, a patroa está?
— Não, senhor.
— Estranho. Ela costuma estar em casa a essa hora. Mas é melhor assim. Diga para ela que eu vou me atrasar um pouco. Estou no hospital para curativos. Nada grave. Fui atropelado por uma manada de elefantes. — Sim, senhor.
Você se dirige para a casa da amante, com o embrulho do presente embaixo do braço. Começa a pensar na ausência da sua mulher em casa. Onde ela teria ido? Lembra-se então de que a viu mais de uma vez olhando com interesse uma vitrine cheia de cachimbos. Na certa pensando num presente para lhe dar. E súbito você pára na calçada como se tivesse batido num elefante. Você não fuma cachimbo!

 Luís Fernando Veríssimo 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Na pesquisa Ibope o ex-deputado Jairo Carneiro foi o único oposicionista que  apresentou crescimento,  talvez, exatamente porque faz a campanha mais firme e com pinta e cara de oposição a Ronaldo.
Com a longa experiência de vida e de cargos que ocupou tem apresentando criticas diretas, embora sem agressão, como é seu estilo, com propostas objetivas e uma propaganda bem produzida. 
Jairo está apostando, certamente, no percentual natural de feirenses que estão descontentes com o atual prefeito.
Do que vi, até agora, é o que me pareceu com uma campanha de oposição real. 

Pesquisa Ibope sugere que Ronaldo nada de braçada
A mais recente pesquisa do Ibope mostrou o crescimento de Ronaldo quando se pensava que ele tinha atingido o teto de aprovação, fato que surpreendeu a muitos. Em verdade, não é de se estranhar visto que Ronaldo tem um verdadeiro exército nas ruas captando votos para sua chapa e a máquina da prefeitura a seu favor. Certo que o perfil de rejeição mostrado na pesquisa chega a ser risível na sua distribuição e não merece credibilidade a um olhar mais atento, mas a distância que separa Ronaldo dos adversários é sim, factível. Certo que a pesquisa estimula o clima de já ganhou e faz com que os eleitores que não gostam de perder a eleição optem por se manter votando em Ronaldo.
A verdade é que Jonathas sofre por não ser mais novidade, Ângelo está em um voo solo sem grandes apoios, Leonardo ainda não tem cacife e Zé Neto tem de aguentar o peso da destruição ética do PT, da denúncia contra Lula, apesar de até contar sim, com significativas obras do Estado para apresentar. Jairo, que apresenta a maior chance de receber os votos dos descontentes com Ronaldo, mas que não desejam votar na oposição mais radical, apresentou crescimento na pesquisa, embora ainda sem ameaçar a liderança de Ronaldo.
Não se pode atribuir, no entanto, o sucesso do prefeito  às limitações adversárias. Ronaldo faz um governo de continuada regularidade funcional, tornou a prefeitura um pagador confiável na praça, não atrasa salários, não deixa florescer caciques ameaçadores à sua sombra ( todos conformados em não correr riscos e esperar o pós-Ronaldo) e sempre pontua uma obra de maior destaque em cada governo ( a trincheira , atualmente). Entretanto, para que se entenda seu domínio e popularidade é preciso vê-lo em ação como na entrega da Ordem do Mérito Municipal a uma eclética reunião de cidadãos feirenses.  Ronaldo, a cada um que é chamado,  faz questão de comentar pessoalmente a biografia do homenageado, torná-lo íntimo, próximo, mostrar que conhece sua história, contar um caso relacionado, fazer um brincadeira. Comanda como um show-man.  E com ar de simplicidade, de pessoa acessível a qualquer um.
Enfrentar Ronaldo exigiria uma dedicação política à altura: continuada, habilidosa, traçada a longo prazo e uma oposição realmente sistemática e não esta sem sal e especialmente sem pimenta que tem na Câmara.  A pesquisa reflete a combinação destes fatos e deixa Ronaldo supostamente nadando de braçada e pressiona a oposição a trabalhar mais unida e encontrar um outro discurso.

 Lula lulando
"A profissão mais honesta é a do político. Sabe por quê? Porque todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem que ir pra rua encarar o povo e pedir voto. O concursado, não. Ele se forma numa universidade, faz um concurso e está com o emprego garantido."  Ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva
PS: cabe informar que voto não é salvo conduto,  nem pena de absolvição para nenhum político criminoso, de nenhum  partido. 

Lula-o general da corrupção em seu labirinto.
Lula acaba de ser denunciado pelo MP como o " comandante máximo da corrupção". Além dele, outros seis, inclusive sua esposa Marisa Letícia.  O ex-presidente acaba de ganhar um adversário que achou que não existia:a lei. O populista ex-presidente e o mais hábil comunicador que já tivemos na política recente levou sua tropa a um estado de soberba na qual achou que a impunidade tudo permitiria. E assim construiu um projeto de poder baseado na corrupção, que incluiu a compra da base parlamentar com recursos públicos.
A verdade é que os políticos nunca foram tão bem remunerados e nunca encontraram um ambiente tão fértil para liberação de seus piores instintos. Protegidos pela popularidade de Lula fizeram o diabo. Agora, acabam vendo seu líder ser denunciado pela primeira vez. E, certamente, ainda há muitas denúncias a serem feitas o que vai complicar  muito a vida do ex-presidente e sua família.  
Lula foi chamado de " general do petrolão" pelo promotor Dalton, que mostrou organograma do esquema. Caso a denúncia seja aceita pelo juiz Moro  - e dificilmente não será- Lula vira réu em um momento em que já não pode nem mais contar com a proteção da Presidência da República. Depois da queda, o coice.
O "comandante"  está sem tropas, o inimigo tem a arma letal da lei, as provas se avolumam. O "general" entrou em seu labirinto. E não tem a menor chance de encontrar a saída.
A carreira da chinesa Emma Yang é de fazer marmanjos sentirem inveja. Com 12 anos, ela sabe programar em mais de 5 linguagens, é uma pianista fabulosa, ganhou um punhado de bolsas de estudo, está escrevendo um livro e é uma das 10 pessoas com menos de 20 anos mais importantes da cidade de Nova York - por um momento, ficamos em dúvida se ela era real.
Não bastasse tudo isso, Yan quer mudar a vida dos pacientes com Alzheimer para melhor. É o caso da avó, que mora em Hong Kong. Já era difícil viver longe dos parentes, mas aí a avó começou a se esquecer das coisas: primeiro telefones e endereços, depois aniversários, depois o rosto de entes queridos. Daí Emma, filha de uma matemática e um programador, decidiu que a tecnologia era a melhor forma de ajudar a avó.
Ela começou a desenvolver o aplicativo Timeless (Eterno, em português). Ele funciona como uma rede social em que o parente com demência pode acompanhar seus familiares e amigos, lembrar de datas importantes como aniversário e ver fotos. É um Facebook, mas com ferramentas para atender às dificuldades especiais dos pacientes com Alzheimer.

O app vem com tecnologia de Reconhecimento Facial, desenvolvida por uma startup americana chamada Kairos. Uma vez que o paciente ou um cuidador fotografa algum conhecido, a ferramenta de inteligência artificial compara o rosto às outras fotos cadastradas como entes queridos e identifica o fotografado. Click no link e leia mais em Super Interessante 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

A dor nas costas afeta todo o mundo e é um dos principais motivos de ausência no trabalho. Segundo a associação britânica de fisioterapeutas Chartered Society of Physiotherapy, há muitos mitos sobre o que provoca a dor nas costas e como lidar com ela.
Esses mitos, por sua vez, geram medos infundados. Por exemplo, o medo de nos movimentarmos quando sentimos dor. O problema, explicam os fisioterapeutas, é que não se mexer pode levar à piora no estado do paciente.
Numa tentativa de combater a desinformação sobre o tema, a entidade está promovendo uma campanha de conscientização. Com base em estudos e literatura especializada, a iniciativa quer derrubar quatro mitos sobre a dor nas costas. Veja o que diz Carley King, conselheira da organização:

1. 'Se me mexer, minha dor nas costas vai piorar'
No passado, acreditava-se que a cura para dor nas costas exigia repouso absoluto. No entanto, já foi comprovado que a imobilidade não resolve o problema. E retomar os movimentos assim que possível é melhor para a recuperação do paciente do que ficar na cama.
Ainda assim, muitos temem girar ou dobrar as costas, por exemplo.
Esse medo é compreensível, já que, se você está com dor, fazer movimentos desse tipo pode ser extremamente desconfortável, dizem os fisioterapeutas. Mas é essencial continuar se mexendo, já que o movimento tem poder lubrificante. A dica, segundo os especialistas, é aumentar gradativamente as atividades e evitar longos períodos de imobilidade.

2. 'Devo evitar fazer exercícios ─ especialmente treinamento com peso'
Entre especialistas, há um consenso de que a melhor forma de se tratar a dor lombar aguda e crônica é o exercício. Estudos sobre o assunto revelaram grandes benefícios e a segurança, a longo prazo, de vários tipos de exercícios, incluindo o treinamento com pesos.
Um dado curioso sobre esses estudos é que não foram encontradas evidências de que um tipo particular de exercício seja melhor ou pior no que diz respeito à dor nas costas. Portanto, aconselham os fisioterapeutas, simplesmente faça o que gosta de fazer ─ e o que consegue fazer. E vá aumentando aos poucos a quantidade de exercício à medida que sua tolerância, autoconfiança e habilidade melhoram.

3. 'Um exame de imagem vai mostrar exatamente o que está errado'
Um grande número de estudos concluiu que resultados de exames de imagem ─ como raios-X, por exemplo ─ não refletem adequadamente os sintomas de pessoas com dores lombares. E para complicar ainda mais as coisas, as pesquisas também revelaram que a maioria dos exames feitos em pessoas que não sofrem de dor lombar apresenta alterações ─ alterações que não são acompanhadas de qualquer sintoma.
Os fisioterapeutas dizem, portanto, que o exame em si não é capaz de explicar com exatidão por que alguém está sentindo dor. Isso não quer dizer que os exames de ressonância magnética sejam irrelevantes em todos os casos, mas quer dizer, sim, que eles não são sempre necessários ou úteis. Na verdade, alguns estudos sugerem que, em alguns casos, o exame pode piorar a situação, influenciando negativamente o paciente, por exemplo.

4. 'Dor é sinônimo de lesão'
A vivência da dor raramente é proporcional à severidade da lesão, explicam os especialistas. A dor é mais complexa do que isso. O nível de dor reflete, na verdade, a percepção subjetiva de um indivíduo a respeito de quão ameaçado ele está.
Por exemplo, experiências vividas, a saúde em geral, crenças, níveis de sono, de exercício e de bem estar psicológico ─ tudo isso tem um papel importante em determinar quanta dor uma pessoa pode sentir.  (BBCBrasil)
A casa de eventos Hot Stop, situada na avenida Getúlio Vargas, está com as atividades suspensas até que seja feito o tratamento acústico visando atender a legislação no que diz respeito aos limites de emissão sonora. O Auto de Infração Advertência foi aplicado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Naturais na noite desta segunda-feira, 19. A ação foi acompanhada pela 1ª Promotoria do Ministério Público Estadual e Guarda Municipal. 
O estabelecimento vinha sendo alvo de constantes denúncias por parte de moradores da região acerca da poluição sonora. Os eventos aconteciam sempre as segundas-feiras e o barulho causava sérios transtornos a vizinhança. A ação foi coordenada pelo secretário de Meio Ambiente, Maurício Carvalho.
Ele explica que o estabelecimento deve se adequar para atender ao que prevê a legislação. "A noite o limite de emissão sonora é de 60 decibéis. Entretanto esta casa de eventos sempre extrapolava esse índice. Por isso emitimos o Auto de Infração e o estabelecimento deverá se adequar para voltar a funcionar dentro do que determina a lei", declarou.
O secretário acrescenta ainda que a Operação Feira Quer Silêncio vem sendo realizada constantemente. "Somente no último final de semana resultou em duas apreensões e três notificações de som automotivo. É uma iniciativa da SEMMAM em parceria com vários órgãos, como o Ministério Público Estadual, através da 1ª Promotoria, que tem como titular dr. Ancelmo Lima Pereira, além da Guarda Municipal, Policia Militar, e Policia Civil". 
As denúncias de poluição sonora podem ser feitas através do número 156 ou do telefone 3626-4401, disponível todos os dias da semana até 1h da madrugada.


Estandes montados e expositores começando a decorar com livros seus espaços onde, a partir desta terça-feira, 20, até sábado, participarão da 9ª Feira do Livro de Feira de Santana, na praça João Barbosa de Carvalho, conhecida como praça do Fórum.
E as expectativas dos organizadores são superlativas. Espera-se que o número de visitantes seja maior do que o projetado para 2015, quando mais de 65 mil pessoas estiveram no local nos cinco dias de feira, que tem o apoio da Prefeitura de Feira.
Neste ano são 25 os estandes que venderão livros ou serão ocupados por representantes de editoras. Em muitos outros ficarão representantes locais de entidades. “A feira está consolidada no calendário da região”, afirmou a sua coordenadora geral, Ana Cristina.
Ela ainda disse que neste ano a programação será intensa, com lançamentos de livros, apresentações teatrais, de grupos de dança e de música, mais cordel, apresentação de filmes, contação de histórias. Várias escolas já agendaram visitas à feira. A acolhida com animadores culturais começa a partir das 8h, mas a abertura oficial está marcada para as 16h.
Neste ano, serão distribuídos R$ 200 mil reais em vales-livros, para estudantes das redes públicas municipal e estadual – R$ 100 mil para cada uma das redes. Os créditos foram distribuídos pelas secretarias municipal e estadual de Educação, com critérios próprios.
Para o gerente regional da Editora Vozes, José Matias Gonçalves, a Feira do Livro de Feira experimenta um crescimento nos últimos anos, que reflete nos resultados das vendas. Ele analisa que o evento tem espaço para crescer, desde que firme parcerias com instituições e órgãos ligados ao setor.
Comentou que a editora vai colocar 1,8 mil títulos à disposição dos leitores, alguns com desconto de até 50% e muitos outros com preços atraentes, em várias áreas do conhecimento, como filosofia, psicologia, educação, literatura, sociologia, tendo como base os resultados da feira do ano passado.


segunda-feira, 19 de setembro de 2016

             
Começa amanhã, terça-feira (20), a 9ª Feira do Livro - Festival Literário e Cultural de Feira de Santana, evento organizado pela Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e entidades parceiras. Com expectativa de público superior a 70 mil pessoas, as atividades serão realizadas mais uma vez na Praça João Barbosa de Carvalho, a Praça do Fórum, de 8 às 19h até sábado (24) e no domingo (25) de 9 às 17h.
            A solenidade de abertura será às 16h de terça-feira com a presença de autoridades e apresentação musical do grupo Sarau de Quintal. Na cerimônia os cantores Márcia Porto e Carlos Pitta vão interpretar os hinos Nacional e de Feira, respectivamente.
            O cantor e compositor feirense Carlos Pitta será um dos homenageados na 9ª Feira do Livro dando nome ao palco das apresentações artísticas. Já o auditório vai receber o nome da escritora e jornalista Myriam Fraga, que faleceu em fevereiro deste ano; a arena será dedicada ao professor emérito da Uefs, José Jerônimo de Morais, um dos fundadores da universidade e do curso de graduação em Letras da instituição; e a Praça do Cordel, espaço dedicado a cultura popular, vai homenagear o cordelista Ademar José Araújo.
            A programação da Feira inclui exibição de filmes, palestras, apresentações musicais e teatrais, oficinas de trançados e turbantes contação de histórias, criação literária e de caricatura, esta com o cartunista Borega. Quem quiser participar das oficinas pode fazer a inscrição presencialmente na Pró-reitoria de Extensão, no prédio da Administração Central da Uefs ou através do e-mail feiradolivrouefs@gmail.com.
            Mais de 60 livros serão lançados nos seis dias do evento. Uma das escritoras que vai participar desta edição é a bióloga Daniela Weil. Ela vai lançar o livro infantil "A minhoca dorminhoca" e participar da "Conversa com o autor" na quarta-feira (21) e quinta-feira (22). Na sexta-feira (23) o escritor Luís Pimentel lança às 19h a obra de poesia "Que assim seja".

Parcerias 
            A Feira do Livro é organizada pela Uefs em parceria com a Arquidiocese de Feira de Santana, o Serviço Social do Comércio (Sesc), as Secretarias Estadual e Municipal de Educação e Municipal de Cultura, Esporte e Lazer de Feira de Santana, o Núcleo Regional de Educação (NR 19) e a Fundação Egberto Costa.
            A coordenadora da Feira do Livro, professora Anna Cristina Gonçalves, destacou a importância dos parceiros para a realização do evento. "A Feira do Livro já é um patrimônio de Feira de Santana e os parceiros fazem com este sonho, que se tornou realidade a nove anos, permaneça e se consolide como uma política de leitura para a região", afirmou.
            Este ano mais uma vez estudantes e professores da rede pública de ensino vão contar com vale-livros para aquisição de obras nos estandes. Para este benefício, o Governo Municipal destinará 100 mil reais e o Governo do Estado 150 mil.
            Para organizar o trânsito do local e o embarque e desembarque de alunos que vão visitar a Feira, a Uefs vai contar com o trabalho desenvolvido pela Superintendência Municipal de Trânsito. Em uma das ruas laterais da Praça do Fórum apenas um trecho estará liberado para acesso de veículos. Também foram realizadas parcerias com a Polícia Militar e com a Guarda Municipal. Outras informações estão disponíveis na Fan Page https://www.facebook.com/feiradolivro.uefs
Os rumores começaram há tempos, mas ficaram mais fortes em 2013, quando o ex-analista de inteligência Edward Snowden, disse que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) contava com programas capazes de infiltrar as webcams de computadores e hackear telefones celulares de cidadãos comuns.
O medo de ser espionado fez com que usuários ao redor do mundo decidissem cobrir as câmeras com adesivos. E o mesmo também ocorreu com microfones.
E a prática ganhou força neste ano quando o fundador do Facebook, o americano Mark Zuckerberg, publicou uma foto em que podia se ver fita adesiva prateada cobrindo a câmera de seu laptop. Outro pedaço bloqueava a entrada de seu microfone.
Alguns veículos de mídia americanos chamaram o bilionário de paranoico.
Porém, a prática foi endossada agora por ninguém menos que o diretor da polícia federal americana (FBI), James Comey. Ele recomendou a prática na semana passada. Inclusive para gente sem o mesmo perfil de Zuckerberg.

 'Sensatez'
Durante uma conferência em Washington, Comey disse que ataques cibernéticos são "inevitáveis" e que todo mundo deveria zelar por sua própria segurança, sem esperar que alguém o fará por elas.
Perguntando se usava fita adesiva para cobrir a câmara de seu computador em casa, o diretor do FBI respondeu sem hesitar. "Claro que sim. Não me parece tão louco assim que o diretor do FBI se preocupe com sua segurança pessoal".

Click no link e leia matéria completa no BBCBrasil. 
Os usuários do serviço de mensagem instantânea WhatsApp que não quiserem o compartilhamento de seus dados com o Facebook têm até 25 de setembro para rejeitar os novos termos de privacidade. Os novos usuários, contudo, não terão essa opção.
Ao anunciar que mudaria a forma como lida com os dados de seus usuários, em 25 de agosto, o serviço de mensagens informou que as pessoas teriam "até 30 dias para decidir se gostariam de concordar e continuar utilizando o WhatsApp".
O WhatsApp esclareceu que não será mais possível rejeitar o compartilhamento depois dos 30 dias. Essa é a primeira vez que os termos de uso de dados do WhatsApp são mudados em quatro anos. A mudança está ligada com a venda do serviço para o Facebook.
A aquisição foi finalizada em 2014, com o preço final saltando de US$ 3 bilhões para cerca de US$ 22 bilhões. Depois da compra, o serviço, antes pago, ficou completamente gratuito. O Facebook esclareceu que a ideia era facilitar o uso do WhatsApp para os negócios da rede social.
No mês passado, o WhatsApp informou que passaria a compartilhar mais dados com o Facebook para "melhorar suas experiências com anúncios e produtos" da rede social. 

 Click no link e leia mais no BBCBrasil 
Pesquisadores na Suíça confirmaram o que muita gente já desconfiava: beber um copo de cerveja pode deixar as pessoas mais sociáveis. Os experimentos, feitos pelo hospital da Universidade da Basileia, envolveram 60 pessoas, com um número igual de homens e mulheres consumindo cerveja com álcool e sem álcool.
Depois, os participantes foram submetidos a uma série de testes, incluindo reconhecimento de feições, empatia e excitação sexual.
As pessoas que ingeriram bebida alcóolica demonstraram mais desejo de estar na companhia de outras pessoas, em um ambiente aberto, animado e de conversa. A diferença foi mais perceptível entre as mulheres e as pessoas naturalmente mais inibidas.
A cerveja também fez com que os participantes reconhecessem feições alegres mais facilmente e reforçou sua empatia emocional - particularmente entre as pessoas com baixos níveis iniciais de empatia. Depois, os pesquisadores mostraram aos participantes imagens de conteúdo sexual explícito.
Os participantes que consumiram cerveja sem álcool classificaram essas imagens como menos agradáveis que fotos de conteúdo neutro. Já as pessoas que consumiram álcool consideraram as fotos como mais agradáveis. A diferença foi mais marcante entre as mulheres, mas os pesquisadores não notaram necessariamente um maior nível de excitação sexual.
Click no link e leia mais no BBCBrasil 


background